Browsing Tag

Cristão

Edificação,

Aprendendo a agradecer por tudo

“Até aqui nos ajudou o SENHOR.”
1 Samuel 7:12b

O agradecimento é o minimo que todo homem pode fazer pois a Gratidão é o reconhecimento por um beneficio recebido o texto bíblico a cima mostra bem isso o profeta Samuel depois que o exercito de Israel venceu os filisteus ele reconhece o auxilio de Deus que trovejou com grandes trovoadas de forma que o exercito opositor ficou confundido diante da batalha.

1- O Cânticos de Gratidão na bíblia –

Não é difícil de encontrar nas santas escrituras essa forma de expressão de gratidão por que grande parte dos servos de Deus depois das grandes conquista louvam a Deus pela bençãos alcançadas.O salmista no Salmo 150:2 ele nós convida a louvar a Deus pelos seus atos poderosos, vejamos agora alguns cânticos de gratidão:

Moisés:- Então cantou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao SENHOR, e falaram, dizendo: Cantarei ao SENHOR, porque gloriosamente triunfou; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro.

O SENHOR é a minha força, e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus, portanto lhe farei uma habitação; ele é o Deus de meu pai, por isso o exaltarei.

O SENHOR é homem de guerra; o SENHOR é o seu nome.

Lançou no mar os carros de Faraó e o seu exército; e os seus escolhidos príncipes afogaram-se no Mar Vermelho.
Êxodo 15:1-4

Miriã : – Então Miriã, a profetiza, a irmã de Arão, tomou o tamboril na sua mão, e todas as mulheres saíram atrás dela com tamboris e com danças.
E Miriã lhes respondia: Cantai ao SENHOR, porque gloriosamente triunfou; e lançou no mar o cavalo com o seu cavaleiro.
Êxodo 15:20-21

Ana: – O SENHOR é o que tira a vida e a dá; faz descer à sepultura e faz tornar a subir dela.
O SENHOR empobrece e enriquece; abaixa e também exalta.
Levanta o pobre do pó, e desde o monturo exalta o necessitado, para o fazer assentar entre os príncipes, para o fazer herdar o trono de glória; porque do SENHOR são os alicerces da terra, e assentou sobre eles o mundo.
1 Samuel 2:6-8

2 – Por que devemos agradecer por tudo ?

2.1-Porque é a vontade de Deus para nossas vidas.

Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.
1 Tessalonicenses 5:18

2.2-Porque todas as coisas concorre para o nosso bem.

E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.
Romanos 8:28

3- O Agradecimento Gera o Milagre

Um certo dia Jesus decidiu alimentar um grande multidão que lhe acompanhava por alguns dias mas ele só tinha 5 pães de cervada pequenos e 2 peixes a bíblia nos diz lá em João 6:11 que Jesus tomou os pães pequenos e agradeceu a Deus ai esta o segredo do milagre agradecer por aquilo que é pequeno desprezível aos olhos de muitos pois Deus é fiel para fazer do pouco muito quem diria que aqueles pãezinhos alimentaria aquela grandiosa multidão e que ainda ia sobrar 12 cesto.

“Quem não agradece pelo pouco que tem não esta preparado para receber muito e ser grato.”

Autor: Pregador Ronald Santos

 

Edificação, Questões,

Posso fazer parte da igreja e ser um cristão?

Você Pergunta:

Eu leio muito a Bíblia e gosto muito dos valores passados por Cristo. Entendo a obra que Ele fez na cruz para me salvar e sei que devo segui-Lo. Porém, do jeito que a igreja está hoje em dia, prefiro ser cristão sem fazer parte de nenhuma igreja. É possível eu ser um cristão verdadeiro mesmo sem fazer parte de uma igreja?

Caro leitor, tem crescido o número de pessoas que, como você, tem preferido exercer seu cristianismo mantendo certa distância da igreja.

Eu entendo você em parte, pois algumas igrejas realmente têm estado muito distantes da vontade de Deus. Têm caminhado por caminhos que não satisfazem o coração de Deus. Mas será que esse é um motivo válido para você viver um cristianismo sem igreja (se é que isso é realmente possível)?

Apesar da salvação de uma pessoa não estar ligada ao fato dela estar ou não em uma igreja, é claro na Bíblia que Deus faz do salvo em Cristo Jesus um integrante de Sua igreja invisível e também aponta claramente pela inserção desse individuo na igreja visível, na igreja local. É nela e através dela que a Bíblia aponta que esse individuo melhor servirá a Deus. Esse é o padrão bíblico. Não existe em nenhum lugar da Bíblia qualquer incentivo para que as pessoas sirvam a Cristo longe de Sua igreja. A comunhão entre os santos é assunto muito recorrente nas páginas sagradas.

Posso ser um cristão mesmo sem fazer parte da igreja? 

Essa questão de não querer congregar em uma igreja, de querer viver um cristianismo afastado do “comunitário” não é algo novo. A Bíblia trata desse assunto, que parece ter sido o alvo que o autor do livro de Hebreus queria atingir com esse versículo: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns” (Hebreus 10.25).

Se fizermos uma leitura aprofundada do Novo Testamento veremos que a igreja foi fundada por Jesus Cristo (Mt 16.18) e continuada pelos apóstolos e outros servos de Deus (At 2.42). Apesar de algumas pessoas na atualidade satanizarem a igreja, e incentivarem que as pessoas não façam parte dela, não é isso que vemos na Bíblia. A palavra “igreja” é usada 110 vezes no Novo Testamento, 93 das quais são descrevendo a igreja local. Ainda assim, muitas pessoas pela falta de compromisso que têm com o evangelho de Cristo, defendem que a igreja não é algo importante e fundamental na vida do verdadeiro cristão. Uma inverdade!

É evidente que existem igrejas “trigo” e igrejas “joio”

Existem falsos profetas, falsos mestres, falsos cristos (2 Pe 2.1). De tudo isso Jesus e os apóstolos nos alertaram. O que precisamos fazer é buscar uma igreja que seja bíblica para fazer parte. Apesar de alguns afirmarem que as igrejas estão todas corrompidas, generalizando, é claro, sabemos que existem milhares de igrejas cheias de crentes verdadeiros e comprometidos com Deus. Igrejas de Deus nessa terra! Não são perfeitas, mas são verdadeiras igrejas de Deus. Procure esses irmãos e some-se a esse tipo de igreja.

Por isso, caro leitor, siga o conselho bíblico: 

“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns” (Hebreus 10.25).

http://www.esbocandoideias.com

Edificação,

Ativismo Espiritual – Decifre-o ou ele te devora!

A dialética pressupondo um exercício constante da reflexão – ação – reflexão parece não respeitada quando o assunto em questão é o ativismo, ou seja, valorizar exageradamente a ação.

No âmbito espiritual isto se torna mais grave, sobretudo por ocasionar o detrimento de hábitos indispensáveis a uma vida cristã saudável.  Dar ênfase à ação, mesmo que no nível ministerial, pode se estender à  vida secular e quando menos nos dermos conta, só nos sentiremos úteis se realizarmos algo, o que via de regra vem associado a uma sensação de sobrecarga.

Há dois anos tive esta experiência e ao contrário de proativamente trabalhar para ajudar na propagação do evangelho, acabei por sucumbir a exercer um ministério com muita ação e pouco tempo para me dedicar ao que realmente era imprescindível: zelar pela minha intimidade com Deus! O excesso de compromissos e obrigações confiados, sobretudo a quem exerce liderança, pode ocasionar conseqüências a meu ver desastrosas ao ponto de se aniquilar o primeiro amor; viver em função de agradar os outros e a pior de todas – a perda da individualidade no que concerne a se privar de decisões e vontades próprias.

A pior seqüela e similar a um câncer espiritual todavia, é quando deixamos de glorificar a Deus e passamos a murmurar. Neste nível já não há mais como efetuar o que sempre se fez por prazer mas, por uma obrigação sutilmente imposta que corro e sobretudo os valores que antes possuíamos e agora se tornam passíveis de contestação. É claro que sempre vai existir pessoas que farão de tudo isso uma oportunidade para “crescerem e aparecerem”, ou seja, um mecanismo de autopromoção que nada mais é que uma forma de fuga de sua pseudo incompetência em saber gerir o sucesso próprio.

Quando nos damos conta do quanto o ativismo pode ser letal, a religiosidade já se alastrou e seguir a Jesus, pregar o evangelho, ganhar vidas tornam-se ações corriqueiras, repetitivas e sem significado. A banalização das ações também compromete o que falamos, a forma de ser e reagir em relação aos outros. Um outro aspecto que senti na pele foi o perfeccionismo exarcebado o que me prejudicou ainda mais por concentrar uma série de atividades que poderiam ser executadas por outros mas, que julgava serem restritas a mim. Jamais devemos nos esquecer que o pressuposto de tudo é a fé e não as obras.

Acreditar que se está agradando a Deus pelo excesso de cargos que se detém ou pelo frenético envolvimento em tudo o que se propõe é ledo engano. O risco iminente é deixar de se dedicar a Deus e pensar que O está agradando por exercer múltiplas obras em Seu Nome. Quando deixamos de buscar a Deus de forma genuína tornamo-nos dependentes da aprovação dos homens e isto inclui como recompensas indispensáveis para “melhor produtividade”, a necessidade de reconhecimento, elogios e/ outras formas de gratificação pessoal que inflem o ego de maneira satisfatória. “De graça recebei, de graça dai”, se for para servir a Deus esperando algo em troca verdadeiramente não estaremos servindo a Ele mas, irremediavelmente reduzidos a agradar o homem.

Creio não ser da vontade de Deus gerar líderes doentes, depressivos e esgotados espiritualmente em função de se comprometerem de forma desumana com o que fazem e em contrapartida, esquecerem do seu próprio bem-estar. Quando acreditei estar no fundo do poço, em depressão, após entregar cargos de liderança e obrigações que me sufocavam, Jesus se revelou a mim, concedendo-me oportunidade para recomeçar e a base de tudo foi VOLTAR AO PRIMEIRO AMOR, voltar às práticas de outrora em buscar comunhão e intimidade genuína com Deus e sobretudo, confiar irrestritamente nEle e no Seu poder restaurador.

Não deixei de ser instrumento de Deus por abrir mão de um ministério, pelo contrário, deixei sim, o que julgava me aprisionar para experienciar hoje o melhor de Deus, que é uma vida cristã equilibrada

Por Carlene Oliveira

 

Edificação, Louvor,

Deve um Cristão escutar música secular?

Resposta: A pergunta de se um Cristão deve ou não escutar música secular é uma que muitas pessoas fazem. Há vários músicos seculares que são imensamente talentosos. Música secular pode ser bastante divertida. Há muitas músicas seculares que têm melodias atrativas, conselhos bons e mensagens positivas. Ao determinar se um Cristão deve ou não escutar música secular, há três fatores que devemos considerar: (1) o propósito da música, (2) o estilo de música e (3) o contéudo da letra.

(1) O propósito da música. É música apenas para louvor, ou será que Deus criou a música para relaxar e entreter? O músico mais famoso da Bíblia, o Rei Davi, tinha como propósito principal usar a música para adorar a Deus (veja Salmo 4:1; 6:1; 54:1; 55:1; 61:1; 67:1; 76:1). No entanto, quando o Rei Saul estava sendo tormentado por espíritos perversos, ele chamava Davi para tocar a harpa para acalmá-lo (1 Samuel 16:14-23). Os israelitas também usaram instrumentos musicais para advertir contra o perigo (Neemias 4:20) e para surpreender os inimigos (Juízes 7:16-22). No Novo Testamento, o Apóstolo Paulo instrui os Cristãos a encorajarem uns aos outros com música: “falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais” (Efésios 5:19). Então, enquanto o propósito principal da música aparenta ser louvor, a Bíblia com certeza dá espaço para usá-la com outros propósitos.

(2) O estilo de música. Triste dizer que o estilo de música é um assunto que causa divisões entre os Cristãos. Há cristãos que inflexivelmente exigem que instrumentos musicais não sejam usados. Há outros Cristãos que só querem saber de cantar os hinos da antiguidade. Há Cristãos que querem música mais agitada e contemporária. Há Cristãos que afirmam que conseguem adorar a Deus mais em um ambiente parecido com um concerto de rock. Ao invés de reconhecer suas preferências como sendo pessoais e distinções culturais, alguns Cristãos declaram que seu estilo de música é o único “bíblico”, afirmando com isso que todos os outros estilos não agradam a Deus e são satânicos.

A Bíblia em nenhum lugar condena qualquer estilo de música. A Bíblia em nenhum lugar condena qualquer tipo de instrumento. A Bíblia menciona vários tipos de instrumentos musicais de corda e de sopro. Apesar da Bíblia não mencionar o tambor especificamente, ela menciona outros instrumentos de percussão (Salmo 68:25; Esdras 3:10). Quase todas as formas de música moderna são variações e /ou combinações dos mesmos tipos de instrumentos musicais, tocados em velocidades diferentes ou com ênfase elevada. Não há nenhuma base bíblica para declarar um estilo particular de música como sendo um estilo que desagrada a Deus ou que seja fora da vontade de Deus.

(3) O conteúdo da letra. Já que nem o propósito ou estilo de música é o que determina se um Cristão deve ou não escutar música secular, o conteúdo da letra deve ser levado em consideração. Mesmo que não falando especificamente de música, Filipenses 4:8 é um excelente guia quanto ao que devemos procurar na letra das músicas que escutamos: “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento”. Se essas são as coisas que devem ocupar nossa mente, então com certeza essas devem ser as coisas que devemos convidar às nossas mentes através de música e de sua letra. Pode a letra de uma música completamente secular ser verdadeira, respeitável, justa, pura, amável, de boa fama e de louvor? Se a resposta é sim, então não há nada de errado em escutar música secular dessa natureza.

Ao mesmo tempo, é bem claro que muito da música secular de hoje não segue o padrão de Filipenses 4:8. Música secular geralmente promove imoralidade, violência; enquanto ao mesmo tempo menospreza pureza e integridade. Se uma música promove tudo aquilo a que Deus se opõe, um Cristão deve evitar escutar esse tipo de música. No entanto, há muitas músicas seculares que não mencionam Deus, mas ainda promovem bons valores, tais como: honestidade, pureza e integridade. Se uma canção de amor promove a santidade do casamento e/ pureza de amor verdadeiro – mas não menciona a Deus ou a Bíblia – então não tem problema em escutar a tal canção.

Já é um fato provado que qualquer coisa que alguém deixe ocupar sua mente vai mais cedo ou mais tarde determinar sua linguagem e comportamento. Esse é o princípio por trás de Filipenses 4:8 e Colossenses 3:2-5: estabelecer pensamentos que agradam a Deus. 2 Coríntios 10:5 diz que devemos levar “cativo todo pensamento à obediência de Cristo”. Essas passagens deixam bem claro a que tipo de música não devemos escutar.

É claro que o melhor tipo de música que devemos escutar é aquela que adora e glorifica a Deus. Há vários músicos Cristãos talentosos em quase todo tipo de música, de clássica, ao rock, ao rap, ao reggae. Não há nada de errado com qualquer estilo de música. É a letra que determina se uma canção é aceitável ou não. No entanto, se um estilo de música secular, seja o ritmo ou a letra, causa você a considerar a se envolver em algo que não glorifique a Deus, então deve ser evitado.

Got Questions Ministries

http://www.gotquestions.org/portugues/musica-secular.html

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.