William Anglin chegou a Conceição de Carangola

O irmão William Anglin chegou a Conceição de Carangola por volta de 1930, deixando a sua siderúrgica na Inglaterra. Passou a viver uma vida totalmente diferente da que era acostumado em seu país de primeiro mundo. Agora estava rodeado de pés de café, bois e, muita poeira. Em 1931 ele comprou terras de um senhor chamado Paragibe, aumentando assim o terreno que fora inicialmente de Stuart Edmund McNair. Esse sítio ficou sendo a sede da associação.

Apesar de ser um homem com muitos recursos financeiros, sempre foi humilde. Sua simplicidade era vista de longe. Com bondoso coração ajudava a todos que vinham até sua casa pedindo algo.

Trabalhou na alfabetização de crianças e adultos, e nas férias, sempre levava os
alunos para passar uns dias agradáveis no litoral capixaba, em Marataízes, onde também
recebiam instruções bíblicas. Eram dias preciosos para as pobres crianças mineiras que
nunca haviam visto o mar.

Como era um ótimo professor, Anglin também dava aulas de português para seus
conterrâneos recém chegados no Brasil. Vários ingleses que vinham como missionários,
passavam algum tempo em Conceição para aprender a língua portuguesa, entre eles estão: Kenneth Jones, Stanley Hughes e Mary Netherton.

Anglin tinha um grande interesse na evangelização de crianças. Ele realmente
amava a meninada. Nem se importava quando estavam marrons de brincar na poeira e no
barro. Ele sempre tratou das crianças com muito amor cristão. Certa vez disse as seguintes
palavras: “Se as crianças não forem bem educadas na Palavra de Deus e crescerem na
ignorância da mesma, a Igreja no futuro será enfraquecida e satanás poderá mais
facilmente derrubá-la”.
Tinha também trabalho com os jovens, ensaiando hinos com auxílio de seu órgão
toda quinta-feira, na sala de sua casa. Seu verdadeiro interesse não era formar um
conjunto, mas sim treinar as vozes das pessoas de qualquer idade para entoar com
harmonia os hinos de louvor a Deus, pois só Ele é digno de nosso verdadeiro louvor. Era
um tempo muito especial, cantando com sinceridade àquele que se entregou por nós.

Escreveu e traduziu muitos hinos, além de outras literaturas.
Foi também um grande ensinador na igreja local em Conceição. Ele descreveu como
era aquela igreja: “Nós somos uma assembléia altamente respeitada em Conceição. A
maioria calça, ou suporta, botas nos Domingos e em reuniões especiais. Embora muitas
vezes, silenciosamente eles tiravam os calçados debaixo dos bancos durante a reunião.
Alguns dos nossos bancos, também, têm encostos, que dão um ar de conforto que nos faz
realizados se a reunião é longa. O corredor central, como é de costume, divide os sexos.
As mulheres entram pela porta lateral, e preenchem um dos lados do salão, juntamente
com a parte jovem da família, nem mesmo o membro mais novo da família era deixado
para trás. Os homens entram pela porta da frente, e preenchem o outro lado do salão. Nas
orações, todos ficam de pé. As mulheres não usam chapéus, exceto quando estão em uma
longa jornada à cavalo ou de trem. As mulheres cristãs usam um véu ou um lenço sobre suas cabeças                                  durante as reuniões.

W.A. viajou pelo Vale do Rio Doce pregando o evangelho no lombo do burro
chamado Figurão. Passou por vários buracos, montanhas, vargens, levando solavancos e
passando por toda sorte de perigos, mas sempre animado e com um sorriso no rosto, pois
ele sabia que O Senhor sofreu muito mais por ele.
Anglin comentou sobre como eram suas viagens. Ele disse algo mais ou menos
assim:
“O pregador vai montado em um cavalo, carregando consigo o seu kit para a viagem.
Ele vai acompanhado por um irmão nativo, que serve como guia. A viajem começa logo
após o café da manhã, e vai até o final da tarde, viajando de vinte a quarenta milhas ao sol
tropical, sobre as colinas, vales, passando por fazendas de café, por florestas , atravessando
rios e riachos , até que cerca de 4 da tarde ele chega ao próximo ponto de parada. A
chegada é anunciada por quatro ou cinco cães que saem correndo como se quisessem
devorar os cavalos e os homens, latindo furiosamente, até que um menino chega e ordena
que eles fiquem quietos, então eles saem com o rabo entre as pernas, e imediatamente
reconhecem os recém-chegados como amigos.”
“Quando entramos na casa, o pai, a mãe, e a dúzia de filhos, vêm apertar as nossas mãos,
inclusive o filho de dezoito meses de idade, enquanto o bebê, um ano mais novo, é levado
por uma irmã mais velha, que o faz estender os braços e apertar as mãos.”

“Depois de um tempo, tomamos cada um, uma pequena xícara de café preto. A refeição vai demorar cerca de duas horas para ser servida. A família já havia jantado. A refeição é composta por três itens, feijão preto, arroz e um mingau sem sabor feito de farinha de milho, que é chamado de “Angu”. Os dois primeiros são misturados com gordura de porco, e este último carece sal. O mesmo cardápio serve para as duas refeições diárias. Quando tudo está pronto, somos convidados a entrar na cozinha, que geralmente é o maior cômodo da casa.”

“O chefe da casa dá graças pelo alimento, e em seguida, os hóspedes são convidados a ir até o fogão e retirar sua comida. Sentamos em bancos de madeira com o prato entre os joelhos, e passamos a desfrutar do jantar. Os cães (agora bons amigos), talvez alguns gatos, certamente um número de galinhas, e às vezes alguns porcos “estão à caça” e quando aparece alguma coisa para eles comerem, há uma disputa. A competição é tão acirrada que devemos ter cuidado, se não um pouco de carne de porco preto é adicionado ao menu.”

“Antes de terminarmos a refeição, o povo vai se ajuntando para a reunião. As mulheres arrumam a cozinha e juntamente com o restante da família, assistem os visitantes acabarem de comer. Terminamos a comida gordurosa, então nos é oferecido um pequeno copo de café, o que nos faz verdadeiramente agradecidos. Uma ou duas minúsculas lâmpadas são acesas que dão muita fumaça e uma luz fraca. Os bancos são organizados para a reunião. O quarto e cada parte da casa estão cheia de gente, muitos dos quais vieram de vários quilômetros de distância. Começamos a primeira parte da reunião cantando hinos ou ensinando um novo coro até que todos estejam presentes. Todos os que chegam apertam as mãos de todos os que chegaram antes deles, não omitindo a menor criança, e geralmente repetem o processo quando vão embora. Se existem 50 pessoas, cada um dos recém-chegados, incluindo o pregador, vai ter que apertar as mãos 50 vezes. Após a oração, para a qual todos nós nos levantamos, a pregação começa. A lâmpada dá uma luz fraca, e a fumaça que ela faz, perturba o pregador, às vezes. O ambiente é quente, e mais adequado para a transpiração do que a respiração, mas estas desvantagens são muitas vezes esquecidas quando o pregador aquece o seu tema. As pessoas ouvem com atenção. O pregador tem de ser de um tipo muito simples e caseiro. Qual é o resultado? Pode uma simples conversa ter algum efeito? Humanamente falando, esperar que a reunião tenha muito efeito parece tolo. É preciso lembrar que o evangelho é o poder de Deus, e as vidas transformadas, como a do nosso anfitrião e outros, são as provas do poder. Quando se percebe isso, sente-se que vale a pena ir e semear a semente, levando a mensagem sobre vales e montes, alegrando-se de ser portador de “Boas Novas”.

Mais tarde mudou-se para aquela região o Sr. Arthur Wood, que foi seu companheiro de
trabalho.

O tempo passou, a idade chegou, e com ela a doença. Por este motivo, o querido amigo, professor, pai e irmão, teve que voltar para a Inglaterra, onde permaneceu firme, até que O Senhor o chamou para O Lar Celestial. Anglin foi exemplo vivo de que as riquezas deste mundo não servem de nada. A verdadeira riqueza nos foi dada através do sangue precioso que O Senhor Jesus Cristo derramou por nós. William Anglin sabia disso e, com certeza ele pôde fazer suas as palavras do apóstolo Paulo: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.” II Tm 4:7.

 

O nosso agradecimento sincero aos irmãos Claudilene Mafra e Wedrey Valente Brum pelo belo trabalho e pela oportunidade que nos concedeu de expor este histórico.

Por Wedrey Valente Brum

 

 

 

 

Kenneth Jones

“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso” Provérbio 6:6
Com certeza os Jones conheciam bem esse versículo, pois trabalho era com eles mesmo! Sempre com um belo sorriso no rosto, estavam dispostos a ajudar qualquer um que fosse. Nunca por reconhecimento, mas sempre tendo em mente o sacrifício do nosso Salvador. O que é o nosso sacrifício perto do dEle?

Nascido em 24 de abril de 1918 no País de Gales, o irmão Kenneth Jones (Ken), veio para o Brasil em Novembro de 1947. Ele
morou durante algum tempo em Conceição de Carangola para aprender a língua portuguesa com o querido irmão William Anglin, como era o costume de vários recém chegados em nossa pátria.
Após essa fase de adaptação, Ken instalou-se em Santo Amaro-MG. Viajando no lombo de mulas pelas montanhas e
vargens, começou a evangelizar numa região onde ainda o Evangelho não tinha sido pregado. Ele encontrou audiência ansiosa para ouvir a palavra de Deus nas fazendas. Grandes distâncias eram
percorridas com os solavancos das mulas nas estradas esburacadas, na poeira ou no barro.
Sendo uma região onde imperava a lei da espingarda e do padre, os homens muitas vezes vinham assistir às reuniões armados de pistolas e facões. Depois de três anos em uma vila naquele local, ele deixou uma pequena igreja com um bom número de convertidos.

Quando saiu de Santo Amaro, foi residir em Vitória-ES. Em 1962-1963, foi para a Inglaterra casar-se com dona Dorothy, e voltou para Vitória, onde trabalhavam com os cursos da Escola Bíblica Emaús. Dois anos e meio depois foi morar com eles a Srta. Phyllis Mary Dunning.
Ali naquela região, também começaram o trabalho em algumas igrejas locais.
Naquela época, era o irmão William Arthur Wood que morava na “Fazenda dos Ingleses” em Conceição de Carangola, e em 1967, ele passou por problemas de saúde e teve que voltar para a Inglaterra, por esse motivo,o casal Jones e a dona Phyllis foram morar na “Fazenda dos Ingleses” para ajudar o trabalho naquela região. Era um trabalho árduo e cansativo, mas que teve e certamente terá grandes recompensas para a glória de Deus.

 

 

Dorothy Jones, formada em enfermagem, continuou trabalhando ali. Dava assistência médica a todos, fornecendo-lhes tratamento e remédios. Ela foi responsável pela saúde de muitas crianças nascidas naquela época. Dava cursos para gestantes, ensinando-as como dar banho nos bebês, o tratamento do umbigo, alimentação, etc.

 

Era uma excelente motorista. Com sua Rural, chegava a qualquer canto, não se importando com as condições do tempo e nem da estrada.

Dorothy também fazia trabalho de evangelização de crianças em diversos lugares como, por exemplo, na comunidade Furriel, onde juntamente com Phyllis enchia a rural de crianças para irem ouvir a Palavra de Deus. Também cooperou durante muitos anos com a revista „SERVAS‟ com mensagens devocionais e histórias para crianças, e publicou histórias infantis para a evangelização e ensino de crianças. Entre elas estão: “A casa Feliz‟; „A Casa de Férias‟; „A Casa Maçã‟; „A Casa Cogumelo‟; „Aluga-se Esta Casa‟ entre outros títulos. Essas histórias quase sempre eram ilustrações de algo acontecido na vida da autora.

Os livros para crianças de dona Dorothy foram muito bem aceitos em todo o Brasil e até mesmo no exterior.

 

No ano de 1970, os Jones e a senhorita Phyllis inauguraram o ABC (Acampamento Bíblico de Conceição). A primeira temporada de acampamento teve como pregador o irmão Luiz Soares.

O crescimento do ABC foi incrível, e a cada ano puderam ver a mão do Senhor abençoando esta obra. Muitas vidas foram salvas no ABC ao longo dos anos.

Em julho de 1982, Kenneth e Dorothy pretendiam viajar ao Junco (uma região de Ituiutaba) a fim de pregar nas Conferências que ali seriam realizadas, mas ao invés disso, Kenneth foi hospitalizado com trombose na

perna esquerda. Ao sair do hospital, o médico o proibiu de viajar e como estava na idade de aposentar-se o aconselhou que encerrasse as suas atividades missionárias.
Durante sua convalescença, Kenneth sentiu a necessidade de escrever estudos para a mocidade. Sem divulgar o seu plano, começou a escrever.

Em julho de 1983 um casal de missionários de Angola enviou a ele uma oferta para a impressão de literatura cristã na língua portuguesa. Foi a confirmação que esperava, pois somente Deus sabia de seu plano.
Em janeiro de 1984 nascia a Escola Bíblica de Carangola (EBC) com seu primeiro curso – “A Chave do Livro de Gêneses”. Os cursos da Escola Bíblica de Carangola foram traduzidos para verias línguas, tais como: Russa, Búlgara, Romena e Albanesa. E já foram impressos em 9 países.

Falando sobre as publicações de Kenneth, anos antes, ele havia sido o fundador da conhecida revista „A Senda do Cristão‟, e também juntamente com o irmão Arthur, compilou „Seleções de Leituras Cristãs‟. Vale lembrar que ele também foi parte da comissão proprietária e redatora
do Hinos & Cânticos, durante muitos anos.

No ano de 1984, os Jones mudaram-se para Carangola, pois precisavam dos serviços de correio e telefone, devido ao seu trabalho com a EBC. Miss Phyllis Dunning continuou em Conceição.E eles não pararam! Continuaram a servir a Deus com o mesmo amor que antes.
Anos mais tarde, ao enviar seu relatório para a revista “Echoes of Service” Ken disse que estava precisando de ajuda para a Escola Bíblica principalmente na parte de informática. Um amável casal inglês, William Craig e Margaret Holden, leram o relatório de Kenneth, e decidiram ajudar.
E em 1992 foram para Carangola.
No período que moraram aqui, Craigie ajudou Kenneth com a informática e traduzindo cursos bíblicos, enquanto Margaret fez algumas digitações para Dorothy. Passado alguns meses eles voltaram para o seu país.

 

Kenneth sempre foi um pregador exemplar. Dava muitos estudos nas igrejas locais e em sua própria residência. Até mesmo quando estava doente, dava estudos edificantes deitado em sua cama. Ele também realizou vários casamentos, e muitas vidas foram salvas através de suas pregações evangelísticas e de seu testemunho cristão.

Depois de alguns anos Dorothy adoeceu, então tiveram que voltar para a Inglaterra. O Sr. Kenneth Jones chamou a família Quelch para ajudar no trabalho em Carangola, já que ele voltaria para o seu país com Dorothy. Em Abril de 1996 foram para Carangola Simon John Quelch, sua esposa Judith e seus três filhos; Richard, Heather e Beth.

No período em que Dorothy esteve cuidando de sua saúde, ela sempre mantinha contato com seus amigos brasileiros através de cartas. Certa vez ela escreveu:

“As saudades me apertam demais”
“me parece que o dia não tem mais as 24 horas, nem sequer as 12!
O meu tempo consiste em bastante sono, visitas e telefonemas! É existência! Mas tenho que me submeter às consequências do tratamento, e os remédios provocam muito sono. Como muito pouco, e por isso perdi muita força, mas tenho a certeza que, com paciência, e no poder do Senhor, este tratamento de quimioterapia há de ter um bom resultado. Se não, então tenho a esperança bendita de ver o meu Senhor Jesus face a face, e estar com Ele por todo sempre”.
Passado algum tempo dona Dorothy foi encontrar-se com O Senhor na Glória.

Kenneth casou-se novamente em outubro de 2003 com uma doce e amigável inglesa chamada Millicent Underwood (Millie). Durante os anos que estiveram juntos, Millie sempre cuidou de Kenneth com muito amor.
Em Setembro de 2012, Ken fraturou o quadril e teve que ser operado. Ficou em um hospital distante 50 milhas de Minehead ( sua cidade) durante 6 semanas. O local da cirurgia não cicatrizava, seu coração estava bastante fraco,e seus rins não funcionavam tão bem. No dia 28 de Outubro de 2012, ele partiu para estar com O Senhor que ele tanto amou. O sepultamento ocorreu no dia 6 de Novembro de 2012, e Kenneth foi enterrado ao lado de Dorothy.

Agradecimento:

  •  Célia Mª Rodrigues Castro;
  •  Claudilene de Oliveira Mafra;
  •  Craig e Margaret Holden;
  •  Denise Gomes Reder Watson;
  •  Maria Carlos Nogueira;
  •  Simon & Judy Quelch;
  •  E tantos outros que nos ajudaram a escrever essa tão linda história de amor ao Senhor!

Com amor em nosso Senhor Jesus Cristo,

WEDREY VALENTE BRUM

“Suzana Wesley” um exemplo de mãe, verdadeiro amor e determinação!

Suzana Wesley foi a maior de vinte e cinco irmãos e mãe de dezenove filhos. Foi uma mulher que passou por privações, enfrentou dificuldades sem nunca se desviar da fé e da mesma maneira ensinou a seus filhos. Foi uma mulher que realmente praticava o que ensinava e que soube como educar e fazer a diferença na vida de cada um dos seus filhos. Sua coragem, submissão, autoridade, força, independência, controle de sua mente, fervor devocional de seus sentimentos e orientação prática ministrada à seus filhos cresceu e se repetiu nomeadamente no caráter e comportamento de cada um deles.
Uma mulher, por natureza frágil e ocupada com os muitos cuidados com sua família, separava duas horas por dia para devoção à sós com Deus. E quando questionada como as vinte quatro horas do dia podia incluir todas as atividades normais, que uma mulher frágil de trinta anos foi capaz de realizar, a resposta podia ser encontrada nestas duas horas de retiro diário, quando obtinha de Deus, na quietude de seu quarto, paz, paciência e um valor incansável.
Do ponto de vista material a história de Suzana Wesley foi uma história de miséria, privações e fracasso, mas espiritualmente, foi uma vida de riquezas verdadeiras, glorias e vitórias, pois ela nunca perdeu seus altos ideais numa fé sublime.

“Uma escola em casa”

Suzana Wesley fez de sua casa uma escola. Em sua casa, seis horas por dia, durante vinte anos, Suzana Wesley ensinou a cada um de seus filhos de forma tão abrangente que se tornaram altamente qualificados. Ela sempre aconselhava os filhos a organizar suas tarefas, seguindo um método estabelecido, em que podiam aprender a maximizar cada momento precioso.
Suzana Wesley ensinava o alfabeto aos filhos no dia do aniversário de cinco anos. “Logo que eles aprendiam as letras liam uma linha, depois um verso e não podiam passar para a próxima lição até lerem com perfeição o que já haviam aprendido”.
Naquele tempo a maioria das mulheres não aprendia a ler. Elas eram ensinadas a cuidar das tarefas domésticas. Mas, Suzana Wesley não concordava com esse costume. Suzana Wesley ajudou a mudar essa realidade. Por isso, ela ensinou suas filhas a ler e escrever antes de ensinar a costurar.
Entre seus filhos, houve um que não apresentou paixão pelo aprendizado, e quando questionada pelo marido porque ela insistia em ensinar a lição ao pobre rapaz pela vigésima vez, ela respondeu calmamente que se ela estivesse que ensinar satisfeita com dezenove vezes, todo seu esforço seria em vão. Suzana Wesley não se deixava abater pelas dificuldades que lhe aparecia ao ensinar seus filhos.
Suzana Wesley seguia uma rotina diária para ensinar seus filhos, para isso ela se utilizava de alguns métodos:
– Matinha um horário rigoroso em seu lar, e era disciplinada e metódica na direção de suas atividades diárias;
– Seus filhos eram ensinados sobre a importância da confissão. Quando faziam algo errado confessavam completamente, sem necessidade de puni-los;
– Ela sempre recompensava a obediência;
– Respeito pelos outros era uma obrigação;
– Todas as promessas feitas tinham que ser mantidas;
– Conferências semanais eram realizadas com cada filho, e ela os tratava de acordo com seus temperamentos individuais;
– Ela orava dia e noite por seus filhos;

Referências:

http://livrariavozdoqueclama.blogspot.com/2009/04/susana-wesley.html

Dwight L. Moody (1837-1899) Um célebre ganhador de almas, para o reino de nosso Senhor Jesus Cristo.

Tudo aconteceu durante uma das famosas campanhas de Moody e Sankey para salvar almas. A noite de uma segunda-feira tinha sido reservada para um discurso dirigido aos materialistas. Carlos Bradlaugh, campeão do ceticismo, então no zênite da fama, ordenou que todos os membros dos clubes que fundara assistissem à reunião. Assim, cerca de 5.000 homens, resolvidos a dominar o culto, entraram e ocuparam todos os bancos.

Moody pregou sobre o texto: “A rocha deles não é como a nossa Rocha, sendo os nossos próprios inimigos os juízes” (Deuteronômio 32: 31).

“Com uma rajada de incidentes pertinentes e comoventes das suas experiências com pessoas presas ao leito de morte, Moody deixou que os homens julgassem por si mesmo quem tinha melhor alicerce sobre o qual deviam basear sua fé e esperança. Sem querer, muitos dos assistentes tinham lágrimas nos olhos. A grande massa de homens demonstrando o mais negro e determinado desafio a Deus estampado nos seus rostos, encarou o contínuo ataque de Moody aos pontos mais vulneráveis, isto é, o coração e o lar.

“Ao findar, Moody disse: ‘Levantemo-nos para cantar: Oh! vinde vós aflitos! e, enquanto o fazemos, os porteiros abram todas as portas para que possam sair todos os que quiserem. Depois faremos o culto, como de costume, para aqueles que desejam aceitar o Salvador ‘. Uma das pessoas que assistiu a esse culto, disse: ‘ Eu esperava que todos saíssem imediatamente, deixando o prédio vazio. Mas a grande massa de cinco mil homens se levantou, cantou e assentou-se de novo; nenhum deles deixou seu assento!”

” Moody, então disse: ‘ Quero explicar quatro palavras: Recebei, crede, confiai, aceitai ‘. Um grande sorriso passou de um a outro em todo aquele mar de rostos. Depois de falar um pouco sobre a palavra recebei, fez um apelo: ‘ Quem quer recebê-lo ? É somente dizer: ‘ Quero ‘. Cerca de cinqüenta dos que estavam em pé e encostado às paredes, responderam: ‘ Quero ‘, mas nenhum dos que estavam sentados. Um homem exclamou: ‘ Não posso ‘. Moody então replicou: ‘ Falou bem e com razão, amigo; foi bom ter falado. Escute e depois poderá dizer: ‘ Eu posso ‘. Moody então explicou o sentido da palavra crer e fez o segundo apelo: ‘ Quem dirá: Quero crer nele ? ‘ De novo alguns dos homens que estavam em pé responderam, aceitando, mas um dos chefes dirigente dum clube, bradou: ‘ Eu não quero ! ‘ Moody, vencido pela ternura e compaixão, respondeu com voz quebrantada: ‘ Todos os homens que estão aqui esta noite têm de dizer: Eu quero ou Eu não quero ‘ “.

” Então, levou todos a considerarem a história do Filho Pródigo, dizendo: ‘ A batalha é sobre o querer – só sobre o querer. Quando o Filho Pródigo disse: Levantar-me-ei a luta foi ganha, porque alcançara o domínio sobre a sua própria vontade. É com referência a este ponto que depende de tudo hoje. Senhores, tendes aí em vosso meio o vosso campeão, o amigo que disse: Eu não quero. Desejo que todos aqui, que acreditam que esse campeão tem razão, levantem-se e sigam o seu exemplo, dizendo: Eu não quero ‘. Todos ficaram quietos e houve silêncio até que, por fim, Moody interrompeu, dizendo: ‘ Graças a Deus ! Ninguém disse: Eu não quero. Agora quem dirá: Eu quero ? Instantaneamente parece que o Espírito Santo tomou conta do grande auditório de inimigos de Jesus Cristo, e cerca de quinhentos homens puseram-se de pé, as lágrimas rolando pelas faces e gritando: ‘ Eu quero ! Eu quero ! ‘ Clamando até que todo o ambiente se transformou. A batalha foi ganha ” .

” O culto terminou sem demora, para que se começasse a obra entre aqueles que estavam desejosos de salvação. Em oito dias, cerca de dois mil foram transferidos das fileiras do inimigo para o exército do Senhor, pela rendição da vontade. Os anos que se seguiram provaram a firmeza da obra, pois os clubes nunca mais se ergueram. Deus, na sua misericórdia e poder, os aniquilou por seu Evangelho ” .

Um total de quinhentas mil preciosas almas ganhas para Cristo, é o cálculo da colheita que Deus fez por intermédio de seu humilde servo, Dwight Lyman Moody . R. A. Torrey, que o conheceu intimamente, considerava-o, com razão, o maior homem do século XIX, isto é, o homem mais usado por Deus para ganhar almas.

Que ninguém julgue, contudo, que D. L. Moody era grande em si mesmo ou que tinha oportunidades que os demais não têm. Seus antepassados eram apenas lavradores que viveram por sete gerações, ou duzentos anos, no vale do Connecticut, nos Estados Unidos. Dwight nasceu a 5 de fevereiro de 1837, de pais pobres, o sexto entre nove filhos. Quando era ainda pequeno, seu pai faleceu e os credores tomaram conta do que ficou, deixando a família destituída de tudo, até da lenha para aquecer a casa em tempo de intenso frio.

Não há história que comova e inspire tanto quanto a daqueles anos de luta da viúva, mãe de Dwight. Poucos meses depois da morte de seu marido, nasceram-lhe gêmeos e o filho mais velho tinha apenas doze anos. O conselho de todos os parentes foi que ela entregasse os filhos para outros criarem. Mas com invencível coragem e santa dedicação a seus filhos, ela conseguiu criar todos os nove filhos no próprio lar. Guarda-se ainda, como tesouro precioso, sua Bíblia com as palavras de Jeremias 49: 11 sublinhadas: ” Deixa os teus órfãos, eu os conservarei em vida; e confiem em mim tuas viúvas “.

– ” Pode-se esperar outra coisa a não ser que os filhos ficassem ligados à mãe e que crescessem para se tornarem homens e mulheres que conhecessem o mesmo Deus que ela conhecia ? ” – Assim se expressou Dwight, ao lado do ataúde quando ela faleceu com a idade de noventa anos: – ” Se posso conter-me, quero dizer algumas palavras. É grande honra ser filho de uma mãe como ela. Já viajei muito, mas nunca encontrei alguém como ela. Ligava a si seus filhos de tal maneira que representava um grande sacrifício para qualquer deles afastar-se do lar. Durante o primeiro ano depois que o meu pai faleceu, ela adormecia todas as noites chorando. Contudo, estava sempre alegre e animada na presença dos filhos. As saudades serviam para chegá-la mais perto de Deus. Muitas vezes eu me acordava e ela estava orando, às vezes, chorando. Não posso expressar a metade do que desejo dizer. Aquele rosto, como é querido! Durante cinqüenta anos não senti gozo maior do que o gozo de voltar a casa. Quando estava ainda a setenta e cinco quilômetros de distância, já me sentia tão inquieto e desejoso de chegar que me levantava do assento para passear pelo carro até o trem chegar à estação….Se chegava depois de anoitecer, sempre olhava para ver a luz na janela da minha mãe. Senti-me tão feliz esta vez por chegar a tempo de ela ainda me reconhecer ! Perguntei-lhe: – ‘ Mãe, me reconhece ? Ela respondeu: – ‘ Ora, se eu te reconheço ! ‘ Aqui está a sua Bíblia, assim gasta, porque é a Bíblia do lar; tudo que ela tinha de bom veio deste Livro e foi dele que nos ensinou. Se minha mãe foi uma bênção para o mundo é porque bebia desta fonte. A luz da viúva brilhou do outeiro durante cinqüenta anos. Que Deus a abençoe, mãe; ainda a amamos ! Adeus, por um pouco, mãe ! ”

Todos os filhos da viúva Moody assistiam aos cultos nos domingos; levavam merenda para passar o dia inteiro na igreja. Tinham de ouvir dois prolongados sermões e, no intervalo, assistir à Escola Dominical. Dwight, depois de trabalhar a semana inteira, achava que sua mãe exigia demais obrigando-o a assistir aos sermões, os quais não compreendia. Mas, por fim, chegou a ser agradecido a essa boa mãe pela dedicação nesse sentido.

Com a idade de dezessete anos, Moody saiu de casa para trabalhar na cidade de Boston, onde achou emprego na sapataria de um tio seu. Continuou a assistir aos cultos, mas ainda não era salvo.

Notai bem, os que vos dedicais à obra de ganhar almas: não foi num culto que Dwight Moody foi levado ao Salvador. Seu professor da Escola Dominical, Eduardo Kimball, conta:

” Resolvi falar-lhe acerca de Cristo e de sua alma. Vacilei um pouco em entrar na sapataria, não queria embaraçar o moço durante as horas de serviço. Por fim, entrei, resolvido a falar sem mais demora. Achei Moody nos fundos da loja, embrulhando calçados. Aproximei-me logo dele e, colocando a mão sobre seu ombro, fiz o que depois parecia ser um apelo fraco, um convite para aceitar a Cristo. Não me lembro do que eu disse, nem mesmo Moody podia lembrar-se alguns anos depois. Simplesmente falei do amor de Cristo para com ele, e o amor que Cristo esperava dele, de volta. Parecia-me que o moço estava pronto para receber a luz que o iluminou naquele momento e, lá nos fundos da sapataria, entregou-se a Cristo “.

Era costume das igrejas daquela época, alugarem os assentos. Moody, logo depois da sua conversão, transbordando de amor para com o seu Salvador, pagou aluguel de um banco, percorrendo as ruas, hotéis e casas de pensão solicitando homens e meninos para enchê-lo em todos os cultos. Depois alugou mais um, depois outro, até conseguir encher quatro bancos, todos os domingos. Mas isso não era suficiente para satisfazer o amor que sentia para com os perdidos. Certo domingo visitou uma Escola Dominical em outra rua. Pediu permissão para ensinar também uma classe. O dirigente respondeu: ” Há doze professores e dezesseis alunos, porém o senhor pode ensinar todos os alunos que conseguir trazer à escola ” . Foi grande a surpresa de todos quando Moody, no domingo seguinte, entrou com dezoito meninos da rua, sem chapéu, descalços e de roupa suja e esfarrapada, mas, como ele disse: ” Todos com uma alma para ser salva “. Continuou a levar cada vez mais alunos à Escola até que, alguns domingos depois, no prédio não cabiam mais; então resolveu abrir outra escola em outra parte da cidade. Moody não ensinava, mas arranjava professores, providenciava o pagamento do aluguel e de outras despesas. Em poucos meses essa escola veio a ser a maior da cidade de Chicago. Não julgando conveniente pagar outros para trabalhar no domingo, Moody, cedo, pela manhã, tirava as pipas de cerveja ( outros ocupavam o prédio durante a semana ) , varria e preparava tudo para o funcionamento da escola. Depois, então, saía par convidar alunos. Às duas horas, quando voltava de fazer os convites, achava o prédio repleto de alunos.

Depois de findar a escola, ele visitava os ausentes e convidava todos para estarem a pregação, à noite. No apelo, após o sermão, todos os interessados era convidados a ficar para um culto especial, no qual tratavam individualmente com todos. Moody também participava nessa colheita de almas.

Antes de findar o ano, 600 alunos, em média, assistiam à Escola Dominical, divididos em 80 classes. A seguir a assistência subia a 1.000 e, as às vezes, a 1.500.

Ao mesmo tempo que Moody se aplicava à Escola Dominical com tais resultados, esforçava-se, também, no comércio todos os dias. O grande alvo da sua vida era vir a ser um dos principais comerciantes do mundo, um multimilionário. Não tinha mais de 23 anos é já tinha ajuntado 7.000 dólares ! Mas seu Salvador tinha um plano ainda mais nobre para seu servo.

Certo dia, um dos professores da Escola Dominical entrou na sapataria onde Moody negociava. Informou-o de que estava tuberculoso e que, desenganado pelos médicos, resolvera voltar para Nova Iorque e aguardar a morte. Confessou-se muito perturbado, não porque tinha de morrer, mas porque até então não conseguira levar ao Salvador nenhuma das moças da sua classe da Escola Dominical. Moody, profundamente comovido, sugeriu que visitassem juntos as moças em suas casas, uma por uma. Visitaram uma, o professor falou-lhe seriamente acerca da salvação da sua alma. A moça deixou seu espírito leviano e começou a chorar, entregando-se ao seu Salvador. Todas as outras moças que foram visitadas naquele dia fizeram o mesmo.

Passados dez dias, o professor foi novamente à sapataria. Com grande gozo informou a Moody que todas as moças se havia entregado a Cristo. Resolveram então convidar todas para um culto de oração e despedida na véspera da partida do professor para Nova Iorque. Todos se ajoelharam e Moody, depois de fazer uma oração, estava para se levantar quando uma das moças começou, também, a orar. Todos oraram suplicando a Deus em favor do professor. Ao sair Moody suplicou: ” Ó Deus, permite-me morrer antes de perder a bênção que recebi hoje aqui ! ”

Moody, mais tarde, confessou: ” Eu não sabia o preço que tinha de pagar, como resultado de haver participado na evangelização individual das moças. Perdi todo o jeito de negociar; não tinha mais interesse no comércio. Experimentara um outro mundo e não mais queria ganhar dinheiro…Oh ! delícia, a de levar uma alma das trevas desde mundo à gloriosa luz e liberdade do Evangelho ! ”

Então, não muito depois de casar-se, com a idade de vinte e quatro anos, Moody deixou um bom emprego com salário de cinco mil dólares por ano, um salário fabuloso naquele tempo, para trabalhar todos os dias no serviço de Cristo, sem ter promessa de receber um único cêntimo. Depois de tomar essa resolução, apressou-se em ir à firma B. F. Jacobs & Cia. , onde, muito comovido, anunciou: – ” Já resolvi empregar todo o meu tempo no serviço de Deus ! ” – ” Como vai manter-se ? ” – ” Ora, Deus me suprirá de tudo se Ele quiser que eu continue; e continuarei até ser obrigado a desistir “.

A parte da biografia de D. L. Moody que trata dos primeiros anos do seu ministério está repleta de proezas feitas na carne. Mencionamos aqui apenas uma, isto é, o fato de Moody fazer 200 visitas em um só dia. Ele mesmo mais tarde se referia àqueles anos como uma manifestação do ” zelo de Deus, mas sem entendimento “, acrescentando: ” Há, contudo muito mais esperança para o homem com zelo e sem entendimento do que para o homem de entendimento sem zelo ” .

Rompeu a tremenda Guerra Civil e Moody chegou com os primeiros soldados ao acampamento militar onde armou uma grande tenda para os cultos. Depois ajuntou dinheiro e levantou um templo onde dirigiu 1.500 cultos durante a guerra. Uma pessoa que o conhecia assim comentou sua ação: ” Moody precisava estar constantemente em todos os lugares, dia e noite, nos domingos e todos os dias da semana; orando, exortando, tratando com os soldados acerca das suas almas, regozijando-se nas oportunidades abundantes de trabalhar no grande fruto ao seu alcance por causa da guerra “.

Depois de findar a guerra, dirigiu uma campanha para levantar em Chicago um prédio para os cultos, com capacidade para três mil pessoas. Quando, mais tarde esse edifício foi destruído por um incêndio, ele e dois outros iniciaram outra campanha, antes de os escombros haverem esfriados, para levantar novo edifício. Trata-se do Farwell Hall II, que se tornou um grande centro religioso em Chicago. O segredo desse êxito foram os cultos de oração que se realizavam diariamente, ao meio-dia, precedidos por uma hora de oração de Moody, escondido no vão debaixo da escada .

No meio desses grandes esforços, Moody resolveu, inesperadamente, fazer uma visita à Inglaterra.

Em Londres, antes de tudo, foi ouvir Spurgeon pregar no Metropolitan Tabernacle. Já tinha lido muito do que ” o príncipe dos pregadores “escrevera, mas ali pôde verificar que a grande obra não era de Spurgeon, mas de Deus, e saiu de lá com uma outra visão.

Visitou Jorge Müller e o orfanato em Bristol. Desde aquele tempo a Autobiografia de Müller exerceu tanta influência sobre ele como já o tinha feito ” O Peregrino “, de Bunyan.

Entretanto, nessa viagem, o que levou Moody a buscar definitivamente uma experiência mais profunda com Cristo, foram estas palavras proferidas por um grande ganhador de almas de Dubim, Henrique Varley: ” O mundo ainda não viu o que Deus fará com, para, e pelo homem inteiramente a Ele entregue “. Moody disse consigo mesmo: ” Ele não disse por um grande homem, nem por um sábio, nem por um rico, nem por um eloqüente, nem por um inteligente, mas simplesmente por um homem. Eu sou um homem, e cabe ao homem mesmo resolver se deseja ou não consagrar-se assim. Estou resolvido a fazer todo o possível para ser esse homem ” . Apesar de tudo isso, Moody, depois de voltar à América, continuava a se esforçar e a empregar métodos naturais. Foi nessa época que a cidade de Chicago foi reduzida a cinzas no pavoroso incêndio de 1871.

Na noite do início do pavoroso incêndio, Moody pregou sobre este tema: – ” Que farei, então de Jesus, chamado Cristo ? Ao concluir ser sermão, ele disse ao auditório, o maior a que pregara em Chicago: ” Quero que leveis esse texto para casa e nele meditais bem durante a semana e no domingo vindouro iremos ao Calvário e à cruz e resolveremos o que faremos de Jesus de Nazaré ” .

– ” Como errei ! ” Disse Moody, depois. – ” Não me atrevo mais a conceder uma semana de prazo ao perdido para decidir sobre a salvação. Se se perderem serão capazes de se levantar contra mim no juízo. Lembro-me bem de como Sankey cantou e como sua voz soou quando chegou a estrofe de apelo: ” O Salvador chama para o refúgio. Rompe a tempestade e breve vem a morte ” .

” Nunca mais vi aquele auditório. Ainda hoje desejo chorar…Prefiro ter a mão direita decepada, a conceder ao auditório uma semana para decidir o que fará de Jesus. Muitos me censuram dizendo: – ” Moody, o senhor quer que o povo se decida imediatamente. Por que não lhe dá tempo para consultar ? ”

” Tenho pedido a Deus muitas vezes que me perdoe por ter dito naquela noite que podiam passar oito dias para considerar, e se Ele poupar minha vida não farei de novo “.

O grande incêndio rugiu e ameaçou durante quatro dias; consumindo Farwell Hall, o templo de Moody e a sua própria residência. Os membros da igreja foram todos dispersos. Moody reconheceu que a mão de Deus o castigara para o ensinar, e isso tornou-se para ele motivo de grande regozijo.

Foi a Nova Iorque, a fim de granjear dinheiro para os flagelados do grande incêndio. Acerca do que se passou, ele mesmo escreveu: ” Não sentia o desejo no coração de solicitar dinheiro. Todo o tempo eu clamava a Deus pedindo que me enchesse do seu Espírito. Então, certo dia, na cidade de Nova Iorque – Ah ! que dia ! Não posso descrevê-lo, nem quero falar no assunto; é experiência quase sagrada demais para ser mencionada. O apóstolo Paulo teve uma experiência acerca da qual não falou por catorze anos. Posso apenas dizer que Deus se revelou a mim e tive uma experiência tão grande do seu amor que tive de rogar-lhe que retirasse de mim sua mão. Não quero voltar para viver de novo como vivi outrora nem que eu pudesse possuir o mundo inteiro ” .

Acerca dessa experiência, um de seus biógrafos acrescentou: ” O Moody que andava na rua parecia outro. Nunca jamais bebera mosto, mas então conhecia a diferença entre o júbilo que Deus dá e o falso júbilo de Satanás. Enquanto andava, parecia-lhe que um pé dizia a cada passo, ‘ Glória ! ‘ e o outro respondia, ‘ Aleluia ! ‘. O pregador rompeu em soluços, balbuciando: ‘ Ó Deus, constrange-nos andar perto de ti para todo o sempre ‘ “.

O Senhor supriu dinheiro para Moody construir um edifício provisório para realizar os cultos em Chicago. Era de madeira rústica, forrada de papel grosso para evitar o frio; o teto era sustentado por fileiras de estacas colocadas no centro. Nessa templo provisório realizaram-se os cultos durante três anos, no meio dum deserto de cinzas. A maior parte do trabalho de construção fora feita pelos membros que moravam em ranchos ou mesmos em lugares escavados por debaixo das calçadas das ruas. Ao primeiro culto assistiram mais de mil crianças com seus respectivos pais !

Esse templo provisório serviu de morada para Moody e Sankey, seu evangelista-cantor; eram tão pobres como os outros em redor, mas tão cheios de esperança e gozo que conseguiram levar muitos a Cristo e se tornaram ricos, apesar de nada possuírem. Onda após onda de avivamento passou sobre o povo. Os cultos continuavam dia e noite, quase sem cessar, durante alguns meses. Multidões choravam seus pecados, às vezes dias inteiros e no dia seguinte, perdoados, clamavam e louvavam em gratidão a Deus. Homens e mulheres até então desanimados participavam do gozo transbordante de Moody, transformado pelo batismo com o Espírito Santo.

Não muito depois de haver construído o templo permanente ( com assentos para 2.000 pessoas – e sem endividar-se ), Moody fez a sua segunda viagem à Inglaterra. Nos seus primeiros cultos nesse país, encontrou igrejas frias, com pouca assistência e o povo sem interesse nas suas mensagens. Mas a unção do Espírito, que Moody recebera nas ruas de Nova Iorque, ainda permanecia na sua alma e Deus o usou como seu instrumento para um avivamento mundial .

Não desejava métodos sensacionais, mas usou os mesmos métodos humildes até o fim da vida: sermão dirigido direto aos ouvintes; aplicação prática da mensagem do Evangelho à necessidade individual; solos cantados sob a unção do Espírito; apelo para que o perdido se entregasse imediatamente; uma sala no lado aonde levava os que se achavam em ” dificuldades ” em aceitar a Cristo; a obra que depois os salvos faziam entre os ” interessados ” e recém-convertidos; diariamente uma hora de oração ao meio-dia, e cultos que duravam dias inteiros.

Na Inglaterra, as cidades de York, Senderland, Bishop, Auckland, Carlisle e Newcastle foram vivificadas como nos dias de Whitefield e Wesley. Na Escócia, em Edimburgh, os cultos se realizaram no maior edifício e ” a cidade inteira ficou comovida “. Em Glasgow, a obra começou com uma reunião de professores da Escola Dominical, a que assistiram mais de 3.000 . O culto de noite foi anunciado para às 6:30, mas muito antes da hora marcada, o grande edifício ficou repleto e a multidão que não pôde entrar foi levado para as quatro igrejas mais próximas. Essa série de cultos transformou radicalmente a vida diária do povo. Na última noite Sankey cantou para 7.000 pessoas que estavam dentro do edifício, e Moody, sem poder entrar no auditório, subiu numa carruagem e pregou a 20 mil pessoas que se achavam congregadas do lado de fora. O coral cantou os hinos de cima dum galpão. Em um só dia mais de 2.000 pessoas responderam ao apelo para se entregarem definitivamente a Cristo.

Na Irlanda, Moody pregou nos maiores centros com os mesmos resultados, como na Inglaterra e Escócia. Os cultos em Belfast continuaram durante quarenta dias. O último culto foi reservado para os recém-convertidos, que só podiam ter ingresso por meio de bilhetes, concedidos gratuitamente. Assistiram 2.300 pessoas. Belfast fora o centro de vários avivamentos, mas todos concordam em que nunca houvera um avivamento antes desse, de resultados tão permanentes.

Depois da campanha na Irlanda, Moody e Sankey voltaram à Inglaterra e dirigiram cultos inesquecíveis em Shefield, Manchester, Birgmingham e Liverpool. Durante muitos meses, os maiores edifícios dessas cidades ficaram superlotados de multidões desejosas de ouvirem a apresentação clara e ousada do Evangelho por um homem livre de todo o interesse e ostentação. O poder do Espírito se manifestou em todos os cultos produzindo resultados que permanecem até hoje.

O itinerário de Moody e Sankey na Europa, findou-se após quatro meses de cultos em Londres. Moody pregava alternadamente em quatro centros. Os seguintes algarismos nos servem para compreender algo da grandeza dessa obra durante os quatro meses: Realizaram-se 60 cultos em Agricultural Hall, aos quais um total de 720.000 pessoas assistiram; em Bow Road Hall, 60 cultos, aos quais 600.000 pessoas assistiram; em Camberwell Hall, 60 cultos, com assistência de 480.000; Haymarket Opera House, 60 cultos, 330.000; Vitória Hall, 45 cultos, 400.000 assistentes.

Quando Moody saiu dos Estados Unidos em 1873, era conhecido apenas em alguns Estados e tinha fama, apenas como obreiro da Escola Dominical e da Associação Cristã de Moços. Mas quando voltou da campanha na Inglaterra em 1875, era conhecido como o mais famoso pregador do mundo. Contudo continuou o mesmo humilde servo de Deus. Foi assim que uma pessoa que o conhecia intimamente descreveu sua personalidade: ” Creio que era a pessoa mais humilde que jamais conheci…Ele não fingia humildade. No íntimo do seu coração rebaixava-se a si mesmo e superestimava os outros. Ele engrandecia outros homens, e, sempre que possível arranjava para que eles pregassem. Fazia tudo para não aparecer “.

Ao chegar novamente aos Estados Unidos, Moody recebeu convites, para pregar, de todas as partes do País. Sua primeira campanha (em Brooklyn ) foi um modelo para todas as outras. As denominações cooperavam; alugaram um prédio que comportava 3.000 pessoas. O resultado foi uma grande e permanente obra.

Nas suas campanhas havia ocasiões que eram realmente dramáticas. Em Chicago, o Circo Forepaugh, com uma tenda de lona que tinha assentos para 10.000 pessoas e lugares para outras 10.000 em pé, anunciou representações para dois domingos. Moody alugou a tenda para os cultos de manhã, os donos resolveram não fazer sessão no segundo domingo. Entretanto, o culto realizou-se sob a lona no segundo domingo, o calor era tanto que dava a impressão de matar a todos, porém 18.000 pessoas ficaram em pé, banhados em suor e esquecidos do calor. No silêncio que reinava durante a pregação de Moody, o poder desceu e centenas foram salvos.

O doutor Dale disse: ” Acerca do poder de Moody, acho difícil falar. É tão real e ao mesmo tempo tão diferente do poder dos demais pregadores, que não sei descrevê-lo. Sua realidade é inegável. Um homem que pode cativar o interesse de um auditório de três a seis mil pessoas, por meia hora, de manhã, por quarenta minutos, de novo, ao meio-dia e de um terceiro auditório, de 13 a 15 mil, durante quarenta minutos, à noite, deve ter um poder extraordinário “.

Acerca desse poder maravilhoso, Torrey testificou: ” Várias vezes tenho ouvido diversas pessoas dizerem que viajaram grandes distancias para ver e ouvir D.L. Moody, e que ele, de fato, é um maravilhoso pregador. Sim, ele era em verdade o mais maravilhoso que eu jamais ouvi; era grande o privilégio de ouvi-lo pregar, como só ele sabia pregar. Contudo, conhecendo-o intimamente, quero testificar que Moody era maior como intercessor do que como pregador. Enfrentando obstáculos aparentemente invencíveis, ele sabia vencer todas as dificuldades. Sabia, e cria no mais profundo de sua alma, que não havia nada demasiadamente difícil para Deus fazer, e que a oração podia conseguir tudo que Deus pudesse realizar “.

Apesar de Moody não ter instrução acadêmica, reconhecia o grande valor da educação e sempre aconselhava a mocidade a se preparar para manejar bem a Palavra de Deus. Reconhecia a grande vantagem da instrução também para os que pregam no poder do Espírito Santo. Ainda existem três grandes monumentos às suas convicções nesse ponto – as três escolas que& ele fundou: O Instituto Bíblico em Chicago, com 38 prédios e 16.000 matriculados nas aulas diurnas, noturnas e Cursos por Correspondência; o Northfield Seminário, com 490 alunos, e a Escola do Monte Hermon, com 500 alunos.

Entretanto, ninguém se engane como alguns desses alunos e como diversos crentes entre nós, pensando que o grande poder de Moody era mais intelectual do que espiritual. Nesse ponto ele mesmo falava com ênfase: para maior clareza, citamos o seguinte de seus ” Short Talks ” : ” Não conheço coisa mais importante que a América precise do que de homens e mulheres inflamados como o fogo do Céu; nunca encontrei um homem ( ou mulher ) inflamado com o Espírito de Deus que fracassasse. Creio que isso seja impossível; tais pessoas nunca se sentem desanimadas. Avançam mais e mais e se animam mais e mais. Amados, se não tendes essa iluminação, resolvei adquiri-la, e orai: ‘ Ó Deus ilumina-me com o teu Espírito Santo ‘ ! ”

No que R. A. Torrey escreveu aparece o espírito dessas escolas que fundou:

” Moody costuma escrever-me antes de iniciar uma nova campanha, dizendo: ‘ Pretendo dar início ao trabalho no lugar tal e em tal dia; peço-lhe que convoque os estudantes para um dia de jejum e oração ‘. Eu lia essas cartas aos estudantes e lhes dizia: Moody deseja que tenhamos um dia de jejum e oração para pedir, primeiramente, as bênçãos divinas sobre nossas próprias almas e nosso trabalho ! Muitas vezes ficávamos ali na sala das aulas até alta noite – ou mesmo até a madrugada – clamando a Deus, porque Moody nos exortava a esperar até que recebêssemos a bênção “.

” Até o dia da minha morte não poderei esquecer-me de 8 de julho de 1894. Era o último dia da Assembléia dos Estudantes de Northfield…Ás 15 horas reunimo-nos em frente à casa da progenitora de Moody….Havia 456 pessoas em nossa companhia….Depois de andarmos alguns minutos, Moody achou que podíamos parar. Nós nos sentamos nos troncos de árvores caídas, em pedras, ou no chão. Moody então franqueou a palavra, dando licença para qualquer estudante expressar-se. Uns 75 deles, um após outro, levantaram-se, dizendo: ‘ Eu não pude esperar até às 15 horas, mas tenho estado sozinho com Deus desde o culto de manhã e creio que posso dizer que recebi o batismo com o Espírito Santo ‘. Ouvindo o testemunho desses jovens, Moody sugeriu o seguinte: ‘ Moços, por que não podemos ajoelhar-nos aqui, agora, e pedir que Deus manifeste em nós o poder do seu Espírito de um modo especial, como fez aos apóstolos no dia de Pentecostes ? ‘ E ali na montanha oramos “.

” Na subida, tínhamos notado como se iam acumulando nuvens pesadas; no momento em que começamos a orar, principiou a chuva a cair sobre os grandes pinheiros e sobre nós. Porém houve uma outra qualidade de nuvem que há dez dias estava se acumulando sobre a cidade de Northfield – uma nuvem cheia da misericórdia, da graça e do poder divino, de sorte que naquela hora parecia que nossas orações bombardeavam essas nuvens, fazendo descer sobre nós, em grande poder, a virtude do Espírito Santo “.

Que Moody mesmo era um estudante incansável, vê-se no seguinte:

” Todos os dias da sua vida, até o fim, segundo creio, ele se levantava muito cedo de manhã para meditar na Palavra de Deus. Costumava deixar sua cama às quatro horas da madrugada, mais ou menos, para estudar a Bíblia. Um dia ele me disse: ‘ Para estudar, preciso me levantar antes que as outras pessoas acordem ‘. Ele se fechava num quarto afastado do resto da família, sozinho com a sua Bíblia e com o seu Deus…”

” Pode-se falar em poder, porém, ai do homem que negligenciar o único Livro dado por Deus, que serve de instrumento, por meio do qual Ele dá e exercer seu poder. Um homem pode ler inúmeros livros e assistir a grandes convenções; pode promover reuniões de oração que durem noites inteiras, suplicando o poder do Espírito Santo, mas se tal homem não permanecer em contato íntimo e constante com o único Livro, a Bíblia, não lhe será concedido o poder. Se já tem alguma força não conseguirá mantê-la, senão pelo estudo diário, sério e intenso desse Livro “.

Tudo no mundo tem de findar; chegou o tempo também para D. L. Moody findar o seu ministério aqui na terra. Em 16 de novembro de 1899, no meio de sua campanha em Kansas City, com auditórios de 15.000 pessoas, pregou seu último sermão. É provável que soubesse que seria o último: certo é que seu apelo era ungido como poder vindo do Alto e centenas de almas foram ganhas para Cristo.

Para a nação, a sexta-feira, 22 de dezembro de 1899, foi o dia mais curto do ano, mas para D.L. Moody, foi o dia que clareou, foi o começo do dia que nunca findará. Ás seis horas da manhã dormiu um ligeiro sono. Então os seus queridos ouviram-no dizer em voz clara: ” Se isto é a morte, não há nenhum vale. Isto é glorioso. Entrei pelas portas e vi as crianças! ( Dois de seus netos que já tinham falecidos ). A terra recua; o céu se abre perante mim. Deus está me chamando ! ” Então virou-se para a sua esposa, a quem ele queria mais do que a todas as pessoas, a não ser Cristo, e disse: ” Tu tens sido para mim uma boa pessoa “.

No singelo culto fúnebre, Torrey, Scofield, Sankey e outros falaram à grande multidão comovida que assistiu. Depois o ataúde foi levado pelos alunos da Escola Bíblica de Monte Hermom a um lugar alto que ficava próximo, chamado ” Round Top “. Três anos depois, a fiel serva de Deus, Ema Moody, sua esposa, também dormiu em Cristo e foi enterrada ao lado do marido, no mesmo alto, onde permanecerão até o glorioso dia da ressurreição.

Contemplemos de novo, por um momento, a vida extraordinária desse grande ganhador de almas. Quando o jovem Moody chorava sob o poder do Alto na pregação do jovem Spurgeon, foi inspirado a exclamar: ” Se Deus pode usar Spurgeon, Ele me pode usar também “. A biografia de Moody é a história de como ele vivia completamente submisso a Deus, para esse fim . R.A. Torrey disse: ” O primeiro fator por cujo motivo Moody foi instrumento tão útil nas mãos de Deus é que ele era um homem inteiramente submisso à vontade divina. Cada grama daquele corpo de 127 quilos pertencia ao Senhor; tudo que ele era e tudo que tinha pertencia inteiramente a Deus…Se nós, tu e eu, leitor, queremos ser usados por Deus, temos de nos submeter a Ele absolutamente e sem reservas “.

Leitor, resolve agora, com a mesma determinação e pelo auxílio divino: “Se Deus podia usar Dhight Lyman Moody, Ele me pode usar também!”

Que assim seja! Amém!

Fonte: reinaonline.com.br

O “Pai” de Hinos e Cânticos

Este ano cumpriram-se 180 anos do nascimento do extraordinário homem de Deus que foi Richard Holden. Ninguém fica surpreso ao ouvir este nome pois ele é sobejamente conhecido pelos crentes de Portugal e Brasil, e de todos os países onde se fala o idioma português, graças aos hinos e cânticos espirituais que escreveu. O que, porém, pode constituir-se grande surpresa para a maioria dos nossos leitores, é que devemos a Holden a existência do nosso tão apreciado cancioneiro cristão HINOS E CÂNTICOS, cujo nome, até a sétima edição, era “Hinos e Cânticos Espirituais”.

     Richard Holden nasceu na Escócia, em Agosto de 1828. Embora recebendo o ensino do Evangelho desde a sua mais tenra idade, pois os seus pais eram crentes, nenhum interesse tinha em Deus e na Sua Palavra. Vivia indiferente e egoisticamente para si mesmo. Aos vinte e um anos ficou gravemente enfermo e pela primeira vez pensou na morte. Como não estava preparado, passou por grande aflição. Quando, à noite, meditava na aproximação do fim dos seus dias, ficava imensamente perturbado. Porém, mal passava o perigo, voltava à mesma situação anterior de indiferença para com Deus.Durante o Inverno, aos domingos à tarde, após o jantar, Holden costumava abrigar-se num pequeno compartimento ao lado da sua casa, onde, sentado, aquecendo-se junto ao fogo, lia um livro qualquer. Numa daquelas tardes, entre uma obra do famoso Shakespeare e um livro teológico, escolheu o último, cuja leitura levou-o à conversão.Lendo sobre a realidade da existência deste Ser Soberano e Omnipotente, o Deus vivo e verdadeiro, o Supremo Criador e Juiz, Holden sentiu profundo desejo de ser salvo. Depois descobriu como esse Deus se revelou pelo Filho, o Qual veio ao mundo para salvar os pecadores. Confiado n’Ele, nasceu de novo e passou a regozijar-se no Senhor e na Sua salvação.Ele esteve por algum tempo no Brasil em actividades comerciais e depois foi para os Estados Unidos, onde cursou Teologia na Universidade de Harvard. Em 1851 foi ordenado ministro da Igreja Episcopal da Escócia, passando a trabalhar em várias cidades da Grã Bretanha. Em 1861 voltou ao Brasil, agora como missionário episcopal, com o objectivo de evangelizar e estabelecer igrejas daquela denominação. Fez várias tentativas em Belém-PA e Salvador-BA, mas os seus esforços foram frustrados devido à grande perseguição religiosa que enfrentou.

Em 1864 desligou-se da Missão que o enviara ao Brasil e regressou à Grã-Bretanha onde passou alguns meses, no fim dos quais, em Fevereiro de 1865, chegou ao Rio de Janeiro. Em Março daquele mesmo passou a cooperar com o Dr. Robert Reid Kalley (1809-1888), o primeiro missionário evangélico a trabalhar no Brasil. Kalley iniciara o seu trabalho pioneiro em Petrópolis, em 1855, e, em 1858, organizou no Rio de Janeiro a primeira Igreja evangélica.

Além das suas actividades na referida Igreja, Holden serviu também como agente da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, que iniciara as suas actividades neste país em 1856.

Em Dezembro de 1868, Dr. Kalley foi à Escócia, onde permaneceu dois anos e meio e Holden continuou a exercer o seu piedoso e dedicado ministério na Igreja. O Dr. Kalley voltou em Junho de 1871 e Holden partiu no mês seguinte para Inglaterra.

Uma vez lá, entrou em contacto com o chamado “Movimento dos Irmãos”. Este movimento começara principalmente na Inglaterra e Irlanda, na década de 1820, e era formado por irmãos fiéis , os quais entristecidos e inconformados com o eclesiasticismo predominante nas suas denominações, começaram a se reunir em simplicidade, conforme o ensino bíblico, sem qualquer vinculação sectária e alheios à cúpula clerical que limitava o ministério a homens ordenados. Este movimento reunia homens de profunda piedade e extraordinária erudição como John Nelson Darby, William Kelly, Anthony Norris Groves, C. H. Mackintosh, George Muller e muitos outros servos de Deus. Darby era, provavelmente, o mais famoso entre eles, por isso o referido movimento tem sido aqui e acolá alcunhado de “Darbista”, sendo alcunhado também de “Irmãos de Plymouth”, por ter sido aquele cidade o local onde se reunia o maior grupo de “Irmãos”.

Estudando criteriosamente as doutrinas bíblicas ensinadas por Darby e os seus companheiros e praticadas nas igrejas locais autónomas e independentes que iam sendo formadas como resultado daquele ensino, Holden convenceu-se da legitimidade do movimento e aderiu ao mesmo. Em carta de 2 de Janeiro de 1872, escreveu à Igreja Evangélica Fluminense renunciando ao seu cargo de co-pastor. Isto trouxe tristeza ao Dr. Kalley e à Igreja, pois Holden era muito amado pela sua dedicação e zelo incansáveis, pela afabilidade e amor para com todos os crentes e pela sua notável cortesia para com todos.

Em 1874 casou-se, na Inglaterra, encontrando em D. Catarina uma companheira dedicada, espiritual e piedosa, cuja vida foi uma bênção para o povo de Deus . O casal teve apenas um filho, que recebeu o nome de Ernest.

Em 1877, Holden foi trabalhar para Portugal, onde pouco tempo antes havia sido iniciado o trabalho de evangelização ligado ao “movimento dos Irmãos”. Ali contribuiu com o seu notável talento para a instrução dos crentes e para a disseminação do Evangelho tendo começado a Igreja Evangélica de Almada, a Sul de Lisboa, na margem Sul do Rio Tejo. Desde a sua partida do Brasil, manteve correspondência com alguns irmãos deste país, os quais, por sua influência, cremos, passaram a reunir-se sem vínculo na casa de um irmão chamado João Menesas, na rua da América, no Rio de Janeiro. E assim, em 1879, ele voltou ao Brasil e passou uma temporada cooperando com aqueles irmãos no ensino da Palavra e na pregação do Evangelho, após o que, voltou a Portugal.

Foi enquanto estava na Inglaterra, antes de ir para Portugal, que Richard Holden, em 1876 compilou e lançou a primeira edição do nosso HINOS E CÂNTICOS. Era um começo bem humilde, um livreto de 48 páginas, contendo duas secções, a primeira de Hinos, de 1 a 38, e a segunda de Cânticos Espirituais, de 1 a 8. Portanto, um total de 46 cânticos. Mas um humilde começo não é necessariamente o prenúncio de um fracasso, especialmente quando a iniciativa é tomada no temor do Senhor (Zacarias 4:10). Uma segunda edição veio a lume em 1879, já com 73 hinos e 14 cânticos, quase o dobro portanto, da primeira edição. Doze anos após a morte de Holden, saiu em 1898, a terceira edição, consideravelmente aumentada, contendo três seções com 85, 36 e 84 hinos respectivamente, totalizando 205 cânticos. Assim foram se sucedendo as edições, sempre cuidadosamente revistas e corrigidas pelos sucessores de Holden.A semente por ele plantada frutificou grandemente. 82 hinos são escritos por Richard Holden. Os seus hinos são notáveis pela profundidade espiritual e beleza poética. Um deles, o nº 453, segundo o seu próprio testemunho, expressa a alegria da sua alma quando, após longo luto, aprendeu que na sua contínua e total dependência estava o segredo da vitória. Eis a primeira e última estrofes do referido hino:

Tu és minha esperança;
Achou minha alma em ti
A paz e segurança
Que carecia aqui.

Tu és o meu descanso,
Pois pela fé, já vi
Que estou p’ra sempre aceito
Perante Deus em Ti.

Além de muitos hinos, Richard Holden escreveu também várias opúsculos expondo a sã doutrina, nos quais revela a sua elevada capacidade como mestre da Palavra. Os seus contemporâneos testificaram da sua profunda piedade, bem como da sua simpatia, simplicidade e humildade.

Este foi o “pai” do nosso tão apreciado livro de cânticos.

Em 18 de Julho de 1886, aos 58 anos de idade, em Lisboa, partiu para o Senhor, a Quem amou e serviu por mais de trinta anos. Somos gratos ao Senhor por aquela vida tão preciosa, embora curta, e também pelo precioso legado que nos deixou.


1 As edições foram-se sucedendo, em cada uma das quais os talentosos compiladores incluíam novos cânticos e multiplicavam correcções visando o aperfeiçoamento do texto.

Já na sétima edição, publicada em 1931, além de belíssimos hinos de Holden, Mc Nair e Wright, entre outros, também os excelentes hinos de William Anglin (1882-1965) vieram enriquecer a colecção. Ele deu a sua valiosa cooperação, em 1939, a qual coincidiu com a nona edição de palavras. Dali em diante ele teve uma participação cada vez mais activa na vida do hinário até à sua partida para a presença de Deus.

Outros servos de Deus têm cooperado cordialmente com Hinos e Cânticos no decorrer dos anos. José Ilídio Freire deu boa assistência a Mc Nair e George Howes em revisões anteriores, e desde a 6ª edição contribuiu para a colecção com vários hinos e coros da sua lavra.

Assumiram também responsabilidade por esta obra, Albert Clayton e Albert Henry Storrie, sendo este último também autor de vários hinos que constam desta colectânea de canções cristãs. Ambos já estão com o Senhor. Posteriormente, Kenneth Jones foi também escolhido para participar deste trabalho. A comissão proprietária e redactora, a partir de 1970, passou a contar também com a participação de Ricardo David Jones, James Dickie Crawford e Luiz Soares. Em 1976, a referida Comissão fundou a Associação Cristã Editora (no Brasil), que assumiu os direitos de Hinos e Cânticos, tendo em vista um melhor amparo legal.

Fonte:

http://www.iqc.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=2103:o-qpaiq-de-hinos-e-canticos&catid=92&Itemid=68

Hudson Taylor

O pai das missões no interior da China

(1832-1905)

Tiago Taylor tinha-se levantado cedo de madrugada. Chegara por fim o auspicioso e anunciado dia de seu casamento; o moço ocupava-se em arrumar tudo para receber a noiva na casa que iam ocupar. Enquanto trabalhava, estava meditando sobre as ocorrências recentes na aldeola.

Duas famílias, a dos Cooper e a dos Shaw, converte­ram-se e convidaram João Wesley a pregar na feira. O ve­lho discursou sobre “a ira vindoura” de tal maneira, que o povo desistiu da amarga perseguição, deixando o intrépido pregador hospedar-se na casa do senhor Shaw.

Enquanto Tiago preparava a casa para a chegada da noiva, ouvia-se a voz da vizinha, a senhora Shaw, cantan­do. Lembrou-se de como ela, meses antes, passava todo o tempo acamada, gemendo dia após dia por causa do reu­matismo que a deixara aleijada. Mas quando “confiou no Senhor”, como disse, para a cura imediata, grande foi a transformação. E indizível foi a surpresa do marido ao vol­tar a casa: a esposa não somente estava curada e de pé, mas estava varrendo a cozinha!Tiago Taylor odiava a religião. Ainda mais: esse era o dia em que se ia casar. Depois do casamento iam dançar e beber como se fazia em tais ocasiões. Mas não podia livrar-se das palavras, talvez ouvidas do sermão do pregador: “Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.”

Sim, ia ter uma esposa e assumir as responsabilidades de marido e de pai de família. Grande tinha sido seu des­cuido. Resolvido, então, a entrar seriamente na vida de ca­sado, começou a repetir as palavras:“Serviremos ao Se­nhor!”

As horas se passavam. O sol subia mais e mais sobre as casas cobertas de neve. Mas o jovem Tiago, esquecido de tudo que é material, e tomado pela realidade das coisas eternas, permaneceu de joelhos, face a face com Deus. O amor do Salvador, por fim, venceu o seu coração e Tiago Taylor levantou-se com a alma cheia do Senhor Jesus.

Podemos imaginar como os sinos dobraram, como a noiva e os convivas se impacientaram, nesse dia. Já havia passado a hora para o culto de casamento quando o jovem despertou do enlevo com Deus e se levantou da oração. De­pois de vestir-se, venceu rapidamente os três quilômetros até o vilarejo de Royston.

Sem perderem tempo em perguntar ao rapaz a razão de tanto atraso, realizou-se o culto, e Tiago e Elisabete saí­ram da igreja, casados. O jovem não vacilou, mas ao sair contou tudo acerca da sua conversão, ao ouvido de Bete. Ao ouvir o que ele relatava, ela exclamou em tom de deses­pero: “Casei-me, então, com um desses metodistas!”

Não houve dança nesse dia; a voz e o violino do noivo foram usados para glorificar o Mestre. Bete, apesar de sa­ber em seu coração que Tiago tinha razão, continuou a re­sistir e a queixar-se dia após dia. Então, certo dia, quando se mostrava ainda mais contrariada, o robusto Tiago le­vantou-a nos braços e a levou para o quarto, onde se ajoe­lhou ao seu lado, derramando a sua alma em oração por ela. Comovida pela profundeza da mágoa e cuidado que Tiago sentia por sua alma, ela começou a sentir também seu pecado e, no dia seguinte, de joelhos, ao lado do mari­do, Elisabete Taylor clamou a Deus, renunciando a vaida­de do mundo e entregando-se a Cristo.É, assim, com os bisavós, que começa a verdadeira bio­grafia do herói da fé, Hudson Taylor. Os avós e os pais, na mesma ordem, criaram seus filhos no mesmo temor de Deus.

Num memorável dia, antes do nascimento de Hudson, o primogênito da família, o pai procurou a sua esposa para conversar sobre uma passagem das Escrituras que o im­pressionava profundamente. Na sua Bíblia leu para ela uma parte dos capítulos 13 de Êxodo e 3 de Números: “Santifica-me todo o primogênito… Todo o primogênito meu é… Meus serão… Apartarás para o Senhor…”

Os dois conversaram muito tempo sobre o gozo que es­peravam ter. Então, de joelhos, entregaram seu primogêni­to ao Senhor, pedindo que desde já ele o separasse para a sua obra.

Tiago Taylor, o pai de Hudson, não somente orava fer­vorosamente por seus cinco filhos, mas ensinou-os a pedi­rem detalhadamente a Deus todas as coisas. Ajoelhados, diariamente, ao lado da cama, o pai colocava o braço ao re­dor de cada um enquanto orava insistentemente por ele. Desejava que cada membro da família passasse, também, ao menos meia hora, todos os dias, perante Deus, renovan­do a alma por meio de oração e estudo das Escrituras.

A porta fechada do quarto da sua mãe, diariamente ao meio-dia, apesar das suas constantes e inumeráveis obri­gações, tinha também grande influência sobre todos, pois sabiam que ela, assim, se prostrava perante Deus para re­novar suas forças e para que o próximo se sentisse atraído ao Amigo invisível que habitava nela.

Não é de admirar, portanto, que, ao crescer, Hudson se consagrasse inteiramente a Deus. O grande segredo do seu incrível êxito é que em tudo que carecia, no sentido espiri­tual ou material, recorria a Deus e recebia dos tesouros in­finitos.

Contudo, não devemos julgar que a mocidade de Hud­son Taylor fosse isenta de grandes lutas. Como acontece com muitos, o moço chegou à idade de dezessete anos sem reconhecer Cristo como seu Salvador. Acerca disso ele es­creveu mais tarde:”Pode ser coisa estranha, mas sou grato pelo tempo que passei no ceticismo. O absurdo de crentes que professam crer na Bíblia enquanto se comportam justamente como se não existisse tal livro, era um dos maiores argumentos dos meus companheiros céticos. Freqüentemente afirmava que, se eu aceitasse a Bíblia, ao menos faria tudo para se­guir o que ela ensina e no caso de achar que tal coisa não era prática, lançaria tudo fora. Foi essa a minha resolução quando o Senhor me salvou. Acho que desde então real­mente provei a Palavra de Deus. Certamente nunca me ar­rependi de confiar nas suas promessas ou de seguir a sua direção.

“Quero relatar então como Deus respondeu às orações da minha mãe e da minha querida irmã, por minha con­versão:

“Certo dia, para mim inesquecível,… para me divertir, escolhi um tratado na biblioteca de meu pai. Pensei em ler o começo da história e não ler a exortação do fim.

“Eu não sabia o que acontecia ao mesmo tempo no co­ração da minha querida mãe, que estava a mais de cem quilômetros de casa. Ela levantara-se da mesa anelando a salvação de seu filho. Estando longe da família e livre da lida doméstica, entrou no seu quarto, resolvida a não sair antes de receber a resposta às suas orações. Orou hora após hora, até que, por fim, só podia louvar a Deus: o Espírito Santo revelou-lhe que o filho por quem orava já se havia convertido.

“Eu, como já mencionei, fui dirigido ao mesmo tempo a ler o tratado. Fui atraído pelas palavras: A obra consuma­da. Perguntei-me a mim mesmo: “Por. que o escritor não escreveu: A obra propiciatória? Qual é a obra consuma­da?” Então vi que a propiciação de Cristo era plena e per­feita. Toda a dívida de nossos pecados ficou paga e não res­tava coisa alguma que eu fizesse. Então raiou em mim a gloriosa convicção; fui iluminado pelo Espírito Santo, para reconhecer que eu somente precisava de prostrar-me e, aceitando o Salvador e a sua salvação, louvá-lo para todo o sempre.

“Assim, enquanto a minha querida mãe, no seu quarto, de joelhos, estava louvando a Deus, eu também louvava a Deus na biblioteca de meu pai, onde entrara para ler o li­vrinho.”

Foi assim que Hudson Taylor aceitou, para a sua pró­pria vida, a obra propiciatória de Cristo, um ato que trans­formou todo o resto da sua vida. Acerca da sua consagra­ção, ele escreveu:

“Lembro-me bem da ocasião, quando, com gozo no co­ração, derramei a alma perante Deus, repentinamente, confessando-me grato e cheio de amor porque Ele tinha feito tudo – salvando-me quando eu não tinha mais espe­rança, nem queria a salvação. Supliquei-lhe que me conce­desse uma obra para fazer, como expressão do meu amor e gratidão, algo que envolvesse abnegação, fosse o que fosse; algo para agradar a quem fizera tanto para mim. Lembro-me de como, sem reserva, consagrei tudo, colocando a mi­nha própria pessoa, a minha vida, os amigos, tudo sobre o altar. Com a certeza de que a oferta fora aceita, a presença de Deus se tornou verdadeiramente real e preciosa. Pros­trei-me em terra perante Ele, humilhado e cheio de indizí­vel gozo. Para que serviço fora aceito eu não sabia. Mas fui possuído de uma certeza tão profunda de não pertencer mais a mim mesmo, que esse entendimento, depois domi­nou toda a minha vida”.

O moço que entrou no quarto para estar sozinho com Deus nesse dia, não era o mesmo quando dali saiu. Um alvo e um poder se apossaram dele. Não mais ficou satis­feito em somente alimentar a sua própria alma nos cultos; começou a sentir a sua responsabilidade para com o próxi­mo – anelava tratar dos negócios de seu Pai. Regozijava-se com riquezas e bênçãos indizíveis. E, como os leprosos no arraial dos siros, Hudson e sua irmã, Amélia, diziam: Não fazemos bem; este dia é de boas novas, e nos calamos. De­sistiram, pois, de assistir aos cultos aos domingos à noite e saíram para anunciar a mensagem, de casa em casa, entre as classes mais pobres da cidade. Mas Hudson Taylor não se sentia satisfeito; sabia que ainda não estava no centro da vontade de Deus. Na angústia de seu espírito, como aquele da antiguidade, clamou: Não te deixarei ir, se me não abençoares.Então, sozinho e de joelhos, surgiu na sua alma um grande propósito: se Deus rompesse o poder do pecado e o salvasse em espírito, alma e corpo para toda a eternidade, ele renunciaria tudo na terra para ficar sempre ao seu dispor. Acerca desta experiência, foi ele mesmo que se expressou:

“Nunca me esquecerei do que senti então; não há pala­vras para descrever. Senti-me na presença de Deus, en­trando numa aliança com o Todo-poderoso. Pareceu-me que ouvi enunciadas as palavras: Tua oração é ouvida; to­das condições são aceitas.’ Desde então nunca duvidei da convicção de que Deus me chamava a trabalhar na China.”

A chamada de Deus, apesar de Hudson Taylor quase nunca a mencionar, ardia como um fogo dentro do seu co­ração. Copiamos a seguir o seguinte trecho de uma das car­tas enviada a sua irmã:

“Imagina, centenas de milhões de almas sem Deus, sem esperança, na China! Parece incrível; milhões de pes­soas morrem dentro de um ano sem qualquer conforto do Evangelho!… Quase ninguém liga importância à China, onde habita cerca da quarta parte da raça humana… Ora por mim, querida Amélia, pedindo ao Senhor que me dê mais da mente de Cristo… Eu oro no armazém, na estreba­ria, em qualquer canto onde posso estar sozinho com Deus. E ele me concede tempos gloriosos… Não é justo esperar que V… (a noiva de Hudson) vá comigo para morrer no es­trangeiro. Sinto profundamente deixá-la, mas meu Pai sabe qual é a melhor coisa e não me negará coisa alguma que seja boa…”

A falta de espaço não permite relatarmos aqui o heroís­mo da fé que o jovem mostrou suportando os sacrifícios e as privações necessárias para cursar a escola de medicina e de cirurgia para melhor servir o povo da China.

Antes de embarcar, escreveu estas palavras à sua mãe: “Anelo estar aí uma vez mais e sei que a senhora quer ver­me, mas acho melhor não nos abraçarmos um ao outro mais, pois isso seria encontrarmo-nos para logo nos sepa­rarmos para todo o sempre…” Contudo a sua mãe foi ao porto de onde o navio se ia fazer à vela. Alguns anos depois ele assim registrou a partida:”A minha querida mãe, que agora está com Cristo, veio a Liverpool para despedir-se de mim. Nunca me esquece­rei de como ela entrou comigo no camarote em que eu ia morar quase seis longos meses. Com o carinho de mãe, en­direitou os cobertores da pequena cama. Assentou-se ao meu lado e cantamos o último hino antes de nos separar­mos um do outro. Ajoelhamo-nos e ela orou. Foi a última oração de minha mãe antes de eu partir para a China. Ou­viu-se então o sinal para que todos os que não eram passa­geiros saíssem do navio. Despedimo-nos um do outro, sem a esperança de nos encontrarmos outra vez… Ao passar o navio pelas comportas, e quando a separação começou a ser realidade, do seu coração saiu um grito de angústia tão comovente, que jamais esquecerei. Foi como que meu cora­ção fosse traspassado por uma faca. Nunca reconheci tão plenamente até então, o que significam as palavras: Pois assim amou Deus ao mundo. Estou certo de que a minha preciosa mãe, nessa ocasião, chegou a compreender mais do amor de Deus para com um mundo que perece do que em qualquer outro tempo da sua vida. Oh! como se entris­tece o coração de Deus ao ver como seus filhos fecham os ouvidos à chamada divina para salvar o mundo pelo qual seu amado, seu único Filho sofreu e morreu!”

Os passageiros de navios modernos conhecem muito pouco do incômodo de viajar em navio à vela. Depois de uma das muitas tempestades por que passou o “Dum­fries”, o nosso herói escreveu: “A maior parte do que pos­suo está molhado. O camarote do comissário, coitado, inundou-se…” Somente pelas orações e grandes esforços de todos a bordo é que conseguiram salvar as próprias vi­das quando o navio, levado por grande temporal, estava prestes a naufragar nas pedras da praia de Gales. A viagem que esperavam realizar em quarenta dias levou cinco me­ses e meio! Somente em 1 de março de 1854, Hudson Taylor, com a idade de vinte e um anos, conseguiu desembar­car em Shanghai, quando então ele escreveu estas impres­sões:

“Não posso descrever o que senti ao pisar em terra. Pa­recia-me que o coração ia estourar; as lágrimas de gratidão e gozo corriam-me pelas faces.”Sobreveio-lhe, então, uma grande onda de saudade; não havia amigos, nem conhecidos, nem qualquer pessoa em todo o país para saudá-lo bem-vindo nem mesmo al­guém que conhecesse o seu nome.

Nesse tempo a China era terra incógnita, a não ser os cinco portos no litoral, abertos à residência de estrangei­ros. Foi na casa de um missionário em Shanghai, um dos cinco portos, que o moço achou hospedagem.

A vitória em todas as variadas provações nesse tempo era devida à característica mais saliente de Hudson Tay­lor, talvez a de nunca ficar parado na sua obra, fosse qual fosse o contratempo.

Durante os primeiros três meses na China, distribuiu 1.800 Novos Testamentos e Evangelhos e mais de 2 mil li­vros. Durante o ano de 1855, fez oito viagens – uma de tre­zentos quilômetros, subindo o rio Yangtzé. Em outra via­gem visitou cinqüenta e uma cidades onde nunca antes se ouvira a mensagem do Evangelho. Nessas viagens foi sem­pre prevenido do perigo que corria a sua vida entre um povo que nunca tinha visto estrangeiros.

Para ganhar mais almas para Cristo, apesar da censura dos demais missionários, adotou o hábito de vestir-se como os chineses. Rapou a cabeça na frente, deixando o resto dos cabelos a formar trança comprida. A calça, que tinha mais de meio metro de folga, ele a segurava conforme o costume, com um cinto. As meias eram de chita branca, o calçado de cetim. O manto pendendo dos ombros, sobressaía-lhe a ponta dos dedos das mãos mais que setenta centímetros.

Mas uma das cruzes mais pesadas que o nosso herói teve de levar foi a falta de dinheiro, quando a missão que o enviara se achava sem recursos.

Em 20 de janeiro de 1858, Hudson Taylor casou-se com Maria Dyer, uma missionária de talento na China. Desse enlace nasceram cinco filhos. A casa em que moraram pri­meiro, na cidade de Ningpo, tornou-se depois o berço da famosa Missão do Interior da China.

As privações e os encargos de serviço em Shanghai, Ningpo e outros lugares eram tais que Hudson Taylor, an­tes de completar seis anos na China, foi obrigado a voltar à Inglaterra para recuperar a saúde. Foi para ele quase como que uma sentença de morte quando os médicos informa­ram-lhe de que nunca mais devia voltar à China.

Entretanto, o fato de perecerem mais de um milhão de almas todos os meses na China era uma realidade para Hudson Taylor; com seu espírito indômito, ao chegar à In­glaterra, iniciou imediatamente a tarefa de preparar um hinário e a revisão do Novo Testamento para os novos con­vertidos que deixara na China. Usando ainda o traje de chinês, trabalhava tendo o mapa da China na parede e a Bíblia sempre aberta sobre a mesa. Depois de alimentar-se e fartar-se da Palavra de Deus, fitava o mapa, lembrando-se dos que não tinham tais riquezas. Todos os problemas ele os levava a Deus; não havia coisa alguma demasiado grande, nem tão insignificante, que a não deixasse com o Senhor em oração.

Em razão de suas atividades, estava tão sobrecarrega­do de correspondência e nos trabalhos dos cultos em prol da China, que após a sua chegada passaram-se mais de vinte dias antes de conseguir abraçar seus queridos pais em Bransley.

Passava, às vezes, a manhã, outras vezes a tarde, em jejum e oração. O seguinte trecho que ele escreveu mostra como a sua alma continuou a arder nos seus discursos nas igrejas da Inglaterra, sobre a obra missionária.

“Havia a bordo, entre os companheiros de viagem, cer­to chinês que se chamava Pedro. Passara alguns anos na Inglaterra, mas, apesar de conhecer algo do Evangelho, não reconhecia coisa alguma do seu poder para salvar. Senti-me ligado a ele e esforcei-me em orar e falar para levá-lo a Cristo. Mas quando o navio se aproximava de Sung-Kiang e eu me preparava para ir a terra, pregar e distribuir trata­dos, ouvi o grito de um homem que caíra na água. Fui ao convés com os outros – Pedro tinha desaparecido.

“Imediatamente arriamos as velas, mas a correnteza da maré era tal que não tínhamos a certeza do lugar onde o homem caíra. Vi alguns pescadores próximos, que usavam uma rede varredoura. Angustiado clamei:

– Venham passar a rede aqui, pois um homem está morrendo afogado!- Veh bin, foi a resposta inesperada, isto é, “Não é con­veniente”.

– Não falem se é ou não é conveniente. Venham depres­sa antes que o homem pereça.

– Estamos pescando.

– Eu sei! Mas venham imediatamente e pagarei bem.

– Quanto nos quer dar?

– Cinco dólares, mas não fiquem conversando. Salvem o homem sem demora!

– Cinco dólares não basta – responderam eles. Não o fa­remos por menos de trinta dólares.

– Mas não tenho tanto! – darei tudo que eu tenho.

– Quanto tem o senhor?

– Não sei – porém não é mais do que catorze dólares. “Então os pescadores vieram, passaram a rede no lugar indicado. Logo à primeira vez apanharam o corpo do ho­mem. Mas todos os meus esforços para restaurar-lhe a res­piração foram inúteis. Uma vida fora sacrificada pela indi­ferença dos que podiam salvá-la quase sem esforço.”

Ao ouvirem contar esta história, uma onda de indigna­ção passou por todo o grande auditório. Haveria em todo o mundo um povo tão endurecido e interesseiro como esse! Mas ao continuar o seu discurso, a convicção feriu ainda mais o coração dos ouvintes.

– “O corpo então tem mais valor que a alma? Censura­mos esses pescadores, dizendo que foram culpados da mor­te de Pedro, porque era coisa fácil salvá-lo. – Mas que acontece com os milhões que estamos deixando perecer para toda a eternidade? Que diremos acerca da ordem implícita: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura? Deus nos diz também: ‘Livra os que estão des­tinados à morte, e os que são levados para a matança, se os puderes retirar. Se disseres: eis que não o sabemos; por­ventura aquele que pondera os corações não o considerará? e aquele que atenta a tua alma não o saberá? não pagará ele ao homem conforme a sua obra?’

– “Credes que cada pessoa entre esses milhões da Chi­na, tem uma alma imortal e que não há outro nome debai­xo do céu, dado entre os homens a não ser o precioso nome de Jesus, pelo qual devamos ser salvos? – Credes que Ele,Ele só, é o Caminho, a Verdade e a Vida e que ninguém vai ao Pai senão por Ele? Se assim o credes, examinai-vos a vós mesmos para ver se estais fazendo todo o possível para levar seu nome a todos.

“Ninguém deve dizer que não é chamado para ir à Chi­na. Ao enfrentar tais fatos, todas as pessoas precisam sa­ber se têm uma chamada para ficarem em casa. Amigo, se não tens certeza de uma chamada para continuar onde es­tás, como podes desobedecer à clara ordem do Salvador, para ir? – Se estás certo, contudo, de estares no lugar onde Cristo quer, não por causa do conforto ou dos cuidados da vida, então estás tu orando como convém a favor dos mi­lhões de perdidos da China? Estás tu usando teus recursos para a salvação deles?”

Certo dia, não muito depois de haver regressado à In­glaterra, Hudson Taylor, ao completar a estatística, veio a saber que o número de missionários evangélicos na China diminuira em vez de aumentar. Apesar de a metade da po­pulação pagã estar na China, o número de missionários durante o ano tinha diminuído de cento e quinze para so­mente noventa e um. Começaram a soar aos ouvidos do missionário estas palavras: “Quando eu disser ao ímpio: Certamente morrerás; não avisando tu, não falando para avisar o ímpio acerca do seu caminho ímpio, para salvar a sua vida. aquele ímpio morrerá na sua maldade, mas o seu sangue da tua mão o requererei”.

Era um domingo, 25 de junho de 1865, de manhã, à bei­ra-mar. Hudson Taylor, cansado e doente, estava com al­guns amigos em Brighton. Mas não podendo suportar mais o regozijo da multidão na casa de Deus, retirou-se para an­dar sozinho nas areias da maré vazante. Tudo em redor era paz e bonança, mas na alma do missionário rugia uma tempestade. Por fim, com alívio indizível, clamou: “Tu, Senhor, tu podes assumir todo o encargo. Com tua chama­da, e como teu servo, avançarei, deixando tudo nas tuas mãos.”

Assim “a Missão do Interior da China foi concebida na sua alma e todas as etapas do seu progresso realizaram-se por seus esforços. Na calma do seu coração, na comunhão profunda e indizível com Deus, originou-se a missão.”Com o lápis na mão, abriu a Bíblia e, enquanto as on­das do vasto mar batiam aos seus pés, escreveu as simples mas memoráveis palavras: “Orei em Brighton pedindo vinte e quatro trabalhadores competentes e dispostos, em 25 de junho de 1865”.

Mais tarde, recordando-se da vitória dessa ocasião es­creveu:

“Grande foi o alívio de espírito que senti ao regressar da praia. Depois de findar o conflito, tudo era gozo e paz. Parecia que me faltava muito pouco para voar até a casa do senhor Pearse. Na noite desse dia dormi profundamen­te. A querida esposa achou que a visita a Brighton serviu para renovar-me maravilhosamente. Era verdade!”

O vitorioso missionário, juntamente com a família e os vinte e quatro chamados por Deus, embarcaram em Lon­dres, no “Lammermuir”, para a China em 26 de setembro de 1865. O anelante alvo de todos era o de erguer a bandei­ra de Cristo nas onze províncias ainda não ocupadas da China. Alguns dos amigos os animaram, mas outros disse­ram: “Todo o mundo ficará esquecido dos irmãos. Sem uma junta aqui na Inglaterra ninguém se importará com a obra por muito tempo. Promessas são fáceis de fazer hoje em dia; dentro de pouco tempo não terão o pão cotidiano”.

A viagem levou mais que quatro meses. Acerca de uma das tempestades, um dos missionários escreveu:

“Durante todo o temporal, o senhor Taylor se compor­tou com a maior calma. Por fim os marinheiros recusaram-se a trabalhar. O comandante aconselhou todos a bordo a amarrarem os cintos de salvação, dizendo que o navio não resistiria à força das ondas mais que duas horas. Nessa al­tura, o comandante avançou na direção dos marinheiros com o revólver na mão. O senhor Taylor então aproximou-se dele e pediu-lhe que não obrigasse dessa forma os mari­nheiros a trabalhar. O missionário dirigiu-se também aos homens e explicou-lhes que Deus ia salvá-los, mas que eram necessários os maiores esforços de todas as pessoas a bordo. Acrescentou que tanto ele como todos os passagei­ros estavam prontos a ajudá-los, e que, como era evidente, as vidas deles também corriam perigo. Os homens conven­cidos por esses argumentos começaram a tirar os destroços,ajudados por todos nós; em pouco tempo conseguimos amarrar os grandes mastros, que batiam com tanta força que estavam demolindo um lado do navio”.

Foram horas de grande regozijo quando o “Lammer­muir”, por fim, aportou, com todos sãos a bordo, em Shanghai. Outro navio que chegou logo após, perdera de­zesseis das vinte e duas pessoas a bordo!

Os missionários iniciaram o ano de 1867 com um dia de jejum e oração, pedindo, como Jabez, que Deus os aben­çoasse e estendesse os seus termos. O Senhor os ouviu dan­do-lhes entrada, durante o ano, em outras tantas cidades! Encerraram o ano com outro dia de jejum e oração. Um culto durou das onze da manhã às três da tarde, sem nin­guém se sentir enfadado. Outro culto se realizou às 8,30 da noite quando sentiram ainda mais a unção do Espírito Santo. Continuaram juntos em oração até a meia-noite, quando celebraram a Ceia do Senhor.

No início de 1867, o Senhor chamou Graça Taylor, filha de Hudson Taylor, para o Lar Eterno, quando ela comple­tava oito anos de idade. No ano seguinte, a senhora Taylor e o filho, Noel, faleceram de cólera. Foi assim que se ex­pressou o pai e marido:

“Ao amanhecer o dia, apareceu à luz do sol o que fora ocultado pela luz de vela – a cor característica da morte no rosto da minha esposa. O meu amor não podia ignorar por mais, não somente o seu estado grave, mas que realmente ela estava morrendo. Ao conseguir acalmar o meu espírito, eu lhe disse:

– Sabes, querida, que estás morrendo?

– Morrendo! Achas que sim? Por que pensas tal coisa?

– Posso ver, que sim, querida. As tuas forças estão se acabando.

– Será mesmo? Não sinto qualquer dor, apenas cansa­ço.

– Sim, estás saindo para a Casa Paterna. Brevemente estarás com Jesus.

“Minha preciosa esposa, lembrando-se de mim e de como eu devia ficar sozinho, em um tempo de tão grandes lutas, privado da companheira com a qual tinha o costume de levar tudo ao trono da graça, disse:- Sinto muito!

Então ela parou, como que querendo corrigir o que dis­sera, porém eu lhe perguntei:

– Estás triste por causa da partida para estar com Je­sus?

“Nunca me esquecerei de como ela olhou para mim e respondeu:

– Oh! não. Bem sabes, querido, que durante mais de dez anos, não houve sombra alguma entre mim e meu Sal­vador. Não estou triste por causa da partida para estar com Ele, mas me entristeço porque terás de ficar sozinho nessas lutas. Contudo… Ele estará contigo e suprirá tudo o que é mister.”

“Nunca presenciei uma cena tão comovente” – escre­veu o senhor Duncan. – “Com a última respiração da que­rida senhora Taylor, o senhor Taylor caiu de joelhos, o co­ração transbordando, e a entregou ao Senhor, agradecen­do-lhe a dádiva e os doze anos e meio que passaram juntos. Agradeceu-lhe, também, pela bênção de Ele mesmo a le­var para a sua presença. Então, solenemente dedicou-se a si mesmo novamente ao serviço do Mestre.

Não é de supor que Satanás deixasse a Missão do Inte­rior da China invadir seu território com vinte e quatro ou­tros obreiros, sem incitar o povo a maior perseguição. Fo­ram distribuídos em muitos lugares, impressos atribuindo aos estrangeiros os mais horripilantes e bárbaros crimes, especialmente aos que propagavam a religião de Jesus. Al­voroçaram-se cidades inteiras e muitos dos missionários ti­veram de abandonar tudo e fugir para escapar com vida.

Quase seis anos depois de o grupo do “Lammermuir” haver desembarcado na China, Hudson Taylor estava no­vamente na Inglaterra. Durante esse tempo da obra na China, a missão aumentava de duas estações com sete obreiros, para treze estações com mais de trinta missioná­rios e cinqüenta obreiros, estando separadas as estações, uma da outra, na média de cento e vinte quilômetros.

Foi durante essa visita à Inglaterra que Hudson Taylor se casou com Miss Faulding, também fiel e provada mis­sionária na China.

Acerca de Hudson Taylor, nesse tempo, certa pessoa amiga, escreveu:

“O senhor Taylor anunciou um hino, sentou-se ao har­mônio e tocou. Não fui atraído por sua personalidade. Era de físico franzino e falou com voz mansa. Como os demais jovens, eu julgava que uma grande voz sempre acompa­nhava um verdadeiro prestígio. Mas quando ele disse: ‘O­remos e nos dirigiu em oração, mudei de parecer; eu nunca ouvira alguém orar como ele. Havia na sua oração uma ousadia, um poder que fez todas as pessoas presentes se humilharem e sentirem-se na presença de Deus. Falava face a face com Deus como um homem com um amigo. Sem dúvida, tal oração era o fruto de longa permanência com o Senhor; era como o orvalho descendo dos céus. Te­nho ouvido muitos homens orarem, mas não ouvi ninguém como o senhor Taylor e o senhor Spurgeon. Ninguém, de­pois de ouvir como esses homens oravam, pode esquecer-se de tais orações. Foi a maior experiência da minha vida ou­vir o senhor Spurgeon, quando tomou, como se fosse a mão do auditório de seis mil pessoas e as levou ao Santo dos Santos. E ouvir o senhor Taylor rogar pela China era reco­nhecer algo do que significa a súplica fervorosa do justo. “

Foi em 1874 quando, com a esposa, subiam o grande rio Yangtze e ele meditava sobre as nove províncias que se es­tendiam dos trópicos de Burma ao planalto de Mongólia e as montanhas de Tibete, que Hudson Taylor escreveu:

“A minha alma anseia, e o coração arde pela evangeli­zação de centenas de milhões de habitantes dessas provín­cias sem obreiros. Oh! se eu tivesse cem vidas a dar ou gas­tar por eles!”

Mas, no meio da viagem, receberam notícias da morte da fiel missionária Amélia Blatchley, na Inglaterra. Ela não somente cuidava dos filhos do senhor Taylor, mas também servia como secretária da Missão.

Grande foi a tristeza de Hudson Taylor ao chegar à In­glaterra e achar não somente os seus queridos filhos sepa­rados e espalhados, mas a obra da Missão quase paralisa­da. Mas isso não foi ainda a sua maior tristeza. Na sua via­gem pelo rio Yangtze, o senhor Taylor, ao descer a escada do navio, levou uma grande queda, caiu sobre os calcanhares e de tal maneira que o choque ofendeu a espinha dorsal. Depois que chegou à Inglaterra o incômodo da queda agra­vou-se até ele ficar acamado. Sobreveio-lhe então a maior crise da sua vida, justamente quando havia maior necessi­dade de seus esforços. Completamente paralítico das per­nas, tinha de passar todo o tempo deitado de costas!

Uma pequena cama era a sua prisão; é melhor dizer que era a sua oportunidade. Ao pé da cama, na parede, es­tava afixado um mapa da China. E ao redor dele, de dia e de noite, estava a presença divina.

Aí, de costas, mês após mês, permaneceu o nosso herói, rogando e suplicando ao Senhor a favor da China. Foi-lhe concedida a fé para pedir que Deus enviasse dezoito mis­sionários. Em resposta aos seusapelos para oração, escri­tos com a maior dificuldade e publicados no jornal, sessen­ta moços responderam de uma vez. Dentre eles, vinte e quatro foram escolhidos. Ali, ao lado do leito, ele iniciou aulas para os futuros missionários e ensinou-lhes as pri­meiras lições da língua chinesa – e o Senhor os enviou para a China.

Lê-se o seguinte acerca de como o missionário inutiliza­do em corpo, nesse tempo, ficou bom:

“Ele foi tão maravilhosamente curado, em resposta à oração, que podia cumprir com um incrível número de suas obrigações. Passou quase todo o tempo das férias, com seus filhos em Guernsey, escrevendo. Durante os quinze dias que passou ali, apesar de desejar compartilhar da delícia da linda praia, com seus filhos, saiu com eles ape­nas uma vez. Mas as cartas que enviou para a China e ou­tros lugares valiam mais do que ouro.”

Certo missionário assim escreveu acerca de uma visita que lhe fez na China:

“Nunca me esquecerei do gozo e da amável maneira com que me saudou. Conduziu-me logo para o ‘escritório’ da Missão do Interior da China. Devo dizer que foi para mim uma surpresa, ou choque, ou ambas as coisas. Os ‘móveis’ eram caixotes. Uma mesa estava coberta de inú­meros papéis e cartas. Ao lado do lume havia uma cama, bem arrumada, tendo um pedaço de tapete a servir de cobertor. Nessa cama o senhor Taylor descansava de dia e de noite.

“O senhor Taylor, sem qualquer palavra de desculpa, deitou-se na cama e travamos a palestra mais preciosa da minha vida. Toda a idéia que eu tinha das qualificações para ser um ‘grande homem’ foi completamente mudada; não havia nele coisa alguma do espírito de superioridade. Vi nele o ideal de Cristo, da verdadeira grandeza, tão evi­dente que permanece ainda no meu coração, através dos anos, até o presente momento. Hudson Taylor reconhecia profundamente que, para evangelizar os milhões da China, era imperioso que os crentes na Inglaterra mostrassem muito mais de abnegação e sacrifício. – Mas como podia ele insistir em sacrifício sem primeiramente praticá-lo na sua própria vida? Assim ele, deliberadamente, cortou da sua vida toda a aparência de conforto e luxo.

“Nas viagens pelo interior da China, ele, invariavel­mente, se levantava para passar uma hora com Deus antes de clarear o dia, às vezes, para depois dormir novamente. Quando eu despertava para alimentar os animais, sempre o achava lendo a Bíblia à luz de vela. Fosse qual fosse o ambiente ou o barulho nas hospedarias imundas, não des­cuidava o hábito de ler a Bíblia. Geralmente em tais via­gens, orava de bruços, porque lhe faltavam as forças para permanecer tanto tempo de joelhos.

– Qual será o assunto do seu discurso, hoje? – pergun­tou-lhe certo crente que viajava com ele, de trem.

– Não tenho certeza; ainda não tive tempo de resolver, respondeu-lhe Hudson Taylor.

– Não teve tempo! – exclamou o homem. – Ora, que faz o senhor a não ser descansar depois de assentar-se aí?

– Não conheço o que seja descansar. – foi a resposta cal­ma que ele deu.

“Depois de embarcarmos em Edinburgo, passei todo o tempo orando e levando todos os nomes dos membros da Missão do Interior da China, e os problemas de cada um, ao Senhor.”

Está além da nossa compreensão como no meio de uma das maiores obras de evangelização de toda a história, ele podia dizer:”Nunca fomos obrigados a abandonar uma porta aber­ta, por falta de recursos. Apesar de muitas vezes gastarmos até o último pêni, a nenhum dos obreiros nacionais nem a nenhum dos missionários, faltou o prometido ‘pão’ coti­diano. Os tempos de provações são sempre tempos aben­çoados e o que é necessário nunca chega demasiado tarde.”

Outro segredo do seu grande êxito de levar a mensagem de salvação ao interior da China era a determinação de que a obra não somente continuasse com caráter internacional, mas também, interdenominacional – que aceitasse missio­nários dedicados a Deus, de qualquer nação e de qualquer denominação.

Em 1878, ao regressar de uma viagem, começou a orar pedindo que Deus enviasse mais trinta missionários antes de findar o ano de 1879. Diremos, ao lembrarmo-nos do di­nheiro necessário para pagar as passagens e sustentar tan­tas pessoas, que a sua fé era grande. Pois bem, vinte e oito pessoas, com os corações acesos pelo desejo de salvação dos perdidos na China, confiando em Deus para o seu sustento cotidiano, embarcaram antes de findar o ano de 1878 e mais seis em 1879.

Conversando com um companheiro de lutas, na cidade de Wuchang, Hudson Taylor começou a enumerar os pon­tos estratégicos em que deviam começar logo a evangelizar os dois milhões de habitantes do vale do grande rio Yangt-ze e o do seu tributário, o rio Hã. Com menos de cinqüenta ou sessenta novos obreiros, a Missão não podia dar tal pas­so – e a própria Missão não tinha mais de um total de cem! Contudo, a Hudson Taylor foi dada a fé de pedir outros se­tenta – lembrado das palavras: “Designou o Senhor ainda outros setenta”.

“Reunimo-nos hoje para passar o dia em jejum e ora­ção” – escreveu Hudson Taylor em 30 de junho de 1872. – “O Senhor nos abençoou grandemente… Alguns passaram a maior parte da noite em oração… O Espírito Santo nos encheu até nos parecer ser impossível receber mais sem

morrer.”

Em certo culto, durante quase duas horas, louvaram ininterruptamente a Deus pelos setenta obreiros já recebidos – pela fé. E, em realidade, foram recebidos mais do que setenta, e dentro do prazo marcado.

O Senhor conduziu a Missão, pouco a pouco para uma visão ainda mais larga – levou os obreiros a pedirem ao Se­nhor outros cem, em 1887. Assim, disse o senhor Stephen­son: “Se me mostrassem uma foto de todos os cem, batida aqui na China, não seria mais real do que realmente é.”

Contudo, Hudson Taylor não iniciou precipitadamente o programa de orar e se esforçar para receber mais cem missionários. Como sempre, devia ter certeza da direção de Deus antes de resolver orar e se esforçar para alcançar o alvo.

Seis vezes mais do que o número que pediram, se ofere­ceram para ir! Mas, a Missão rejeitou fielmente a todos que não concordaram com os princípios declarados desde o início. Assim, exatamente o número pedido embarcou para a China. – Não foram cento e um, nem noventa e no­ve, mas exatamente cem.

Depois da visita de Hudson Taylor ao Canadá, aos E.U.A. e à Suécia em 1888 e 1889, a Missão do Interior da China gozou de um dos maiores impulsos para avançar em todos os anais da história de missões. Assim escreveu de­pois, o nosso missionário, acerca do que lhe pesava grande­mente no coração durante toda a sua visita à Suécia:

“Confesso-me envergonhado de que, até essa ocasião, nunca tinha meditado sobre o que o Mestre realmente que­ria dizer ao mandar pregar o Evangelho ‘a toda a criatura’. Esforcei-me durante muitos anos, como muitos outros ser­vos de Deus, para levar o Evangelho aos lugares mais dis­tantes; planejei alcançar todas as províncias e muitos dos distritos menores da China, sem compreender o sentido evidente das palavras do Salvador.

“‘a toda a criatura’? O número total de comunicantes entre os crentes da China não excedia quarenta mil. Se houvesse outro tanto de aderentes, ou mesmo três vezes mais, e se cada um levasse a mensagem a oito de seus patrícios – mesmo assim, não alcançariam mais de um mi­lhão. ‘a toda a criatura’! as palavras abrasavam-lhe o ínti­mo da alma. Mas como a Igreja, e eu mesmo, falhávamos em aceitá-las justamente como Cristo queria! Isso eu percebi então; para mim havia apenas uma saída, a de obede­cer.

“Qual será a nossa atitude para com o Senhor Jesus Cristo quanto a essa ordem? Suprimiremos o título Pe­nhor’, que lhe foi dado, para reconhecê-lo apenas como nosso Salvador? Aceitaremos o fato de Ele tirar a penalida­de do pecado, e recusaremos a confessarmo-noscomprados por bom preço, e que Ele tem o direito de esperar a nossa obediência implícita? Diremos que somos os nossos pró­prios senhores, prontos a conceder-lhe apenas o que lhe é devido, a Ele que comprou-nos com seu próprio sangue, com a condição de Ele não pedir demasiado? As nossas vi­das, os nossos queridos, as nossas possessões são somente nossas, não são dele? Daremos o que acharmos convenien­te e obedeceremos à sua vontade somente se Ele não nos pedir demasiado sacrifício? Estamos prontos a deixar Je­sus Cristo nos levar aos céus, mas não queremos que esse homem ‘reine sobre nós’?

“O coração de todos os filhos de Deus rejeitará, certa­mente uma afirmação assim formulada. Mas não é verda­de que inumeráveis crentes, em todas as gerações, se com­portaram tal como se isso fosse a base própria para suas vi­das? São poucas as pessoas entre o povo de Deus que reco­nhecem a verdade de que, ou Cristo é o Senhor de tudo, ou então não é Senhor de coisa alguma! Se somos nós que jul­gamos a Palavra de Deus, e não a Palavra que nos julga; se concedemos a Deus somente o quanto quisermos então so­mos nós os senhores e Ele o nosso devedor e, conseqüente­mente, Ele deve ser grato pela esmola que lhe concedemos; deve sentir-se obrigado por nossa concordância aos seus desejos. Se, ao contrário, Ele é Senhor então tratemo-lo como Senhor: ‘E por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?'”

Foi assim que Hudson Taylor, sem esperar, alcançou a mais larga visão da sua vida, a visão que dominou a última década de seu serviço. Com os cabelos já grisalhos, após cinqüenta e sete anos de experiência, enfrentou o novo sen­tido de responsabilidade com a mesma fé e confiança que o caracterizavam quando era mais novo. Sua alma ardia ao meditar nos alvos antigos! Ficou ainda mais firme ao exe­cutar a visão de outrora!

Foi assim que sentiu a direção de unificar todos os gru­pos evangélicos, que trabalhavam na evangelização da China, para orarem e se esforçarem para aumentar o nú­mero de missionários, enviando-se à China outros mil, dentro de cinco anos. O número exato enviado à China du­rante esse prazo, foi de mil cento e cinqüenta e três!

Não é, pois, de admitir que as forças físicas de Hudson Taylor começassem a faltar, não tanto pelas privações e cansaço das viagens contínuas, nem pelos esforços incan­sáveis em escrever e pregar, nem pelo peso das grandes e inumeráveis responsabilidades de dirigir a Missão do Inte­rior da China. Os que o conheciam intimamente sabiam que era um homem gasto de tanto amar.

A gloriosa colheita de almas na China aumentava cada vez mais. Mas a situação política do país piorava dia após dia até culminar na Carnificina dos Boxers, no ano de 1900, quando centenas de crentes foram mortos. Somente da China Inland Mission pereceram cinqüenta e oito mis­sionários, e vinte e um de seus filhos.

Hudson Taylor, com a sua esposa, estavam novamente na Inglaterra, quando começaram a chegar telegrama após telegrama avisando-os dos horripilantes acontecimentos na China; aquele coração que tanto amava a cada missio­nário, quase cessou de pulsar. Acerca desse acontecimento assim se manifestou: “Não sei ler, não sei pensar, nem mesmo sei orar, mas sei confiar.”

Certo dia, alguns meses depois, Hudson Taylor, com o coração transbordante e as lágrimas correndo-lhe pelas fa­ces, estava contando o que lera em uma carta que acabara de receber de duas missionárias, escrita um dia antes de elas morrerem nas mãos dos boxers. Eis o que ele disse:

“Oh! o gozo de sair de tal motim de pessoas enfurecidas para estar nasua presença, para ver o seu sorriso!” Quan­do pôde continuar, acrescentou: “Elas agora não estão ar­rependidas. Têm a imperecível coroa! Andam com Cristo em vestes brancas, porque são dignas”.

Falando acerca de seu grande desejo de ir a Shanghai, para estar ao lado dos refugiados, ele disse: “Não sei se poderia ajudá-los, mas sei que me amam. Se pudessem che­gar-se a mim nas tristezas para chorarmos juntos, ao me­nos poderiam ter um pouco de conforto.” Mas ao lembrar-se de que tal viagem lhe era impossível por causa da saúde, a sua tristeza parecia maior do que podia suportar.

Apesar de sentir profundamente a sua incapacidade para trabalhar como de costume, achou grande conforto em estar com a sua esposa, a qual tanto amava. Findara o tempo em que deviam passar longos meses e anos separa­dos um do outro, nas lutas em tantos lugares.

Foi em 30 de julho de 1904 que sua esposa faleceu. “Não sinto nada de dor, nada de dor”, dizia ela, apesar da ânsia em respirar. Então, de madrugada, percebendo a an­gústia de espírito do seu marido, pediu-lhe que orasse ro­gando ao Senhor que a levasse logo. Foi a oração mais difí­cil da vida de Hudson Taylor, mas por amor dela, ele orou pedindo a Deus que libertasse o espírito da sua esposa. Logo que orou, dentro de cinco minutos cessou a ânsia e não muito depois ela adormeceu em Cristo.

A desolação de espírito de Hudson Taylor sentiu depois da partida da sua fiel companheira era indescritível. Toda­via, achou indizível paz nesta promessa: “A minha graça te basta.” Começou a recuperar as forças físicas e na pri­mavera fez a sua sétima viagem aos E.U.A. Daí fez a últi­ma viagem à China, desembarcando em Shanghai em 17 de abril de 1905.

O valente líder da Missão, depois de tão prolongada au­sência, foi recebido em todos os lugares com grandes mani­festações de amor e estima da parte dos missionários e crentes, especialmente dos que escaparam dos intraduzí­veis espetáculos da insurreição dos Boxers.

Em Chin-Kiang, o veterano missionário visitou o cemi­tério onde estão gravados os nomes de quatro filhos e o da esposa. As recordações eram motivo de grande gozo, isto é, o dia da grande reunião se aproximava.

No meio da viagem, quando visitava as igrejas na Chi­na, sem ninguém esperar, nem ele mesmo, findou a sua carreira na terra. Isso aconteceu na cidade de Chang-sha em 3 de junho de 1905. Sua nora contou o seguinte, sobre esse acontecimento:”O querido papai estava deitado. Como sempre gosta­va de fazer, tirou as cartas, dos queridos, da sua carteira e as estendeu sobre a cama. Baixou-se para ler uma das car­tas perto do candeeiro aceso colocado na cadeira ao lado do leito. Para que ele não se sentisse demasiadamente inco­modado, puxei outro travesseiro e o coloquei por baixo da sua cabeça e assentei-me numa cadeira ao seu lado. Men­cionei as fotografias da revista, Missionary Review, que es­tava aberta sobre a cama. Howard tinha saído para ir bus­car algo para comer, quando papai, de repente, virou a ca­beça e abriu a boca como se quisesse espirrar. Abriu a boca a segunda, e a terceira vez. Não clamou; não pronunciou qualquer palavra. Não mostrou qualquer dificuldade para respirar – nada de ânsia. Não olhou para mim, e não pare­cia cônscio… Não era a morte, era a entrada na vida imor­tal. Seu semblante era de descanso e sossego. Os vincos do rosto feitos pelo peso da luta de longos anos pareciam ha­ver desaparecido em poucos momentos. Parecia dormir como criança no colo da mãe; o próprio quarto parecia cheio de indizível paz.”

Na cidade de Chin-Kiang, à beira do grande rio que tem a largura de mais de dois quilômetros, foi enterrado o corpo de Hudson Taylor.

Muitas foram as cartas de condolências recebidas de fiéis filhos de Deus no mundo inteiro. Emocionante foram os cultos celebrados em vários países, em sua memória. Impressionantes foram os artigos e livros impressos acerca das suas vitórias na obra de Deus. Mas as vozes mais des­tacadas, as que Hudson Taylor apreciaria mais, se pudesse ouvi-las, eram as das muitas crianças chineses, que, can­tando louvores a Deus, deitaram flores sobre o seu túmulo.

(extraido do livro hérois da fé)

George Müller

O gigante da fé, George Müller (1805-1898), nasceu na Alemanha, e converteu-se com idade de 20 anos numa missão morávia. Foi para a Inglaterra em 1829, onde trabalhou para o Senhor até o final de sua vida.Em 1830, três semanas depois de seu casamento, Müller e sua esposa decidiram abrir mão de seu salário como pastor de uma pequena congregação, e depender exclusivamente de Deus para suas necessidades. Já desde o início, ele tomou a posição que manteria durante todo o seu ministério, de nunca revelar suas necessidades às pessoas, e de nunca pedir dinheiro de ninguém, somente de Deus. Ao mesmo tempo, decidiu que também nunca entraria em dívida por motivo algum, e que não faria reservas, nem guardaria dinheiro para o futuro.

Durante mais de sessenta anos de ministério, Müller iniciou 117 escolas que educaram mais de 120.000 jovens e órfãos; distribuiu 275.000 Bíblias completas em diferentes idiomas além de grande quantidade de porções menores; sustentou 189 missionários em outros países; e sua equipe de assistentes chegou a contar com 112 pessoas.

Seu maior trabalho foi dos orfanatos em Bristol, na Inglaterra. Começando com duas crianças, o trabalho foi crescendo com o passar dos anos, e chegou a incluir cinco prédios construídos por ele mesmo, com nada menos que 2000 órfãos sendo alimentados, vestidos, educados e treinados para o trabalho. Ao todo, pelo menos dez mil órfãos passaram pelos orfanatos durante sua vida. Só a manutenção destes órfãos custava 26 mil libras por ano. Nunca ficaram sem uma refeição, mas muitas vezes a resposta chegava na última hora. Às vezes sentavam para comer com pratos vazios, mas a resposta de Deus nunca falhava.

No decorrer da sua vida, Müller recebeu o equivalente a sete milhões e meio de dólares, como resposta de Deus. Além de nunca divulgar suas necessidades, ele tinha um critério muito rigoroso para receber ofertas. Por mais que estivesse precisando (pois em milhares de ocasiões não havia recursos para a próxima refeição), se o doador tivesse outras dívidas, se tivesse evidência de que havia alguma atitude errada, ou alguma condição imprópria, a oferta não era aceita.

E mesmo quando tinha certeza de que Deus estava dirigindo para ampliar o trabalho, começar uma outra casa, ou aceitar mais órfãos, ele nunca incorria em dívidas. Aquilo que Deus confirmava como sua vontade certamente receberia os recursos necessários, e por isto nunca emprestava nem contraía obrigações sem ter o necessário para pagar.

A seguir, um trecho da sua autobiografia, onde ele define sua posição com relação a dívidas:

Minha esposa e eu nunca entramos em dívidas porque acreditávamos que era contrário às Escrituras (Rm 13.8). Por isto, nunca tivemos contas para o futuro com alfaiate, açougue, padaria ou mercado. Pagamos por tudo em dinheiro. Preferimos passar necessidade do que contrair dívidas. Desta forma, sempre sabemos quanto temos, e quanto podemos dar aos outros. Muitas provações vêm sobre os filhos de Deus por não agirem de acordo com Romanos 13.8.

Alguns podem perguntar: Por que você não compra o pão, ou os alimentos do mercado, para pagar depois? Que diferença faz se paga em dinheiro no ato, ou somente no fim do mês? Já que os orfanatos são obra do Senhor, você não pode confiar que ele supra o dinheiro para pagar as contas da padaria, do açougue, e do mercado? Afinal, todas estas coisas são necessárias para a continuidade da obra.

Minha resposta é a seguinte: Se esta obra é de Deus, certamente ele tanto quer como é capaz de suprir todo o necessário. Ele não vai necessariamente prover na hora que nós achamos que deve. Mas quando há necessidade, ele nunca falha. Podemos e devemos confiar no Senhor para suprir-nos com o que precisamos no momento, de forma que nunca tenhamos que entrar em dívida.

Eu poderia comprar um bom estoque de mantimentos no crediário, mas da próxima vez que estivéssemos em necessidade, eu usaria o crediário novamente, ao invés de buscar o Senhor. A fé, que somente se mantém e se fortalece através de exercitar, ficaria mais e mais fraca. No fim, provavelmente acabaria atolado em grandes dívidas, sem perspectiva de sair delas.

A fé se apóia na Palavra Escrita de Deus, mas não temos nenhuma promessa de que ele pagará nossas dívidas. A Palavra diz: “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma” (Rm 13.8), e: “Quem nele crer não será de modo algum envergonhado” (1 Pe 2.6). Não temos nenhuma base bíblica para entrar em dívidas.

Nosso alvo é mostrar ao mundo e à igreja que mesmo nestes dias maus do tempo do fim, Deus está pronto para ajudar, consolar, e responder às orações daqueles que confiam nele. Não precisamos recorrer a outras pessoas, nem seguir os caminhos do mundo. Deus tanto é poderoso, como desejoso, de suprir todas nossas necessidades no seu serviço.

Consideramos um precioso privilégio continuar a esperar no Senhor somente, ao invés de comprar mantimentos no crediário, ou de emprestar de bondosos amigos. Enquanto Deus nos der graça, olharemos somente para ele, mesmo que de uma refeição para a próxima tivermos que depender do seu suprimento. Já faz dez anos que trabalhamos com estes órfãos, e ele nunca permitiu que passassem fome. Ele continuará a cuidar deles no futuro também.

Estou profundamente consciente da minha própria incapacidade e dependência no Senhor. Pela graça de Deus, minha alma está em paz, embora dia após dia tenhamos que esperar a provisão milagrosa do Senhor para nosso pão diário.

Extraído da Revista Impacto (www.revistaimpacto.com.br), nº 25.