Qual o verdadeiro sentido da Páscoa?

A Escritura Sagrada, a Bíblia é a única fonte segura sobre este assunto. A verdadeira Páscoa foi instituída muito antes de Jesus vir ao mundo e foi comemorada para celebrar a libertação dos israelitas da escravidão de Faraó na terra do Egito, mas não somente isto. A Páscoa prefigurava o sacrifício de Cristo em nosso favor.   Leia mais

O modo como Deus fala em nossos dias

“AMADOS, PROCURANDO EU ESCREVER-VOS COM TODA A DILIGÊNCIA ACERCA DA SALVAÇÃO COMUM, TIVE POR NECESSIDADE ESCREVER-VOS, E EXORTAR-VOS A BATALHAR PELA FÉ QUE UMA VEZ FOI DADA AOS SANTOS.” Judas 3.

“TOMAI TAMBÉM O CAPACETE DA SALVAÇÃO, E A ESPADA DO ESPÍRITO, QUE É A PALAVRA DE DEUS;” Efésios 6:17.

Tenho ouvido nesses últimos dias pessoas afirmando que Deus falou com elas, tipo: Hoje pela manhã Deus falou comigo, estava viajando quando Deus falou comigo, ou Deus me revelou em sonhos que eu devo fazer isso Leia mais

Tribunal de Cristo X Grande Trono Branco

I – O tribunal de Cristo:

Após o arrebatamento da Igreja, cada crente haverá de  comparecer perante o tribunal de Cristo. II Co 5.10 diz: “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal”. Paulo se utilizou do vocábulo “bem” que significa “lugar elevado”,”plataforma” isto nos dá uma idéia de como será este Leia mais

O Primeiro Pecado do Homem

E o SENHOR Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal. Gênesis 2:9
E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. Gênesis 2:16 e 17
ORA, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha Leia mais

Davi e Bate-Seba O pecado de adultério

Qualquer desobediência da palavra de Deus é pecado. Jamais devemos sugerir que há pecadinho e pecadão. Mas, nesta vida, alguns pecados levam a conseqüências maiores. Alguns pecados machucam outras pessoas mais profundamente do que outros. Alguns causam seqüelas desastrosas e irreversíveis. Não é por acaso que o adultério sempre se encontra entre os piores dos pecados, tanto nos olhos de Deus como entre os homens.

Deus não nos deixa sem defesa contra este pecado destruidor de vidas. Além de várias advertências bíblicas, há diversos exemplos de como o adultério complicou a vida de pessoas que o praticaram, e de suas vítimas inocentes. Um exemplo clássico é Davi, o segundo rei de Israel. Vamos aprender as lições valiosas deste tropeço triste na vida dele.

Erros que levaram Davi ao pecado

Quando uma pessoa se entrega à tentação, pode se encontrar numa situação praticamente impossível, onde não tem força para resistir. É essencial aprender  como evitar essas situações difíceis. O exemplo de Davi sugere algumas coisas que vão nos ajudar. (1) Devemos nos dedicar ao papel que Deus nos deu. Davi não se ocupou com seus próprios deveres. 2 Samuel 8 e 10 mostram que Davi era um guerreiro bem-sucedido. De fato, seu papel como um dos primeiros reis era de comandante do exército de Israel. Ele corajosamente conduziu suas tropas a vitória após vitória. Mas, num determinado ano, Davi ficou para trás e mandou Joabe e seus servos à batalha (2 Samuel 11:1). Enquanto muitos dos homens de Israel arriscaram a vida na guerra, ele ficou na casa do rei em Jerusalém. Hoje, um dos fatores que contribui ao pecado é falta de ocupação e dedicação em nosso trabalho. Homens desempregados mostram uma tendência maior de se envolver numa série de pecados, incluindo adultério, abuso de álcool e outras drogas, etc. Jovens ociosos tendem a se envolver em coisas erradas, por ter muito tempo livre. Mulheres sem responsabilidade participam mais das coisas do Adversário (1 Timóteo 5:13-15). (2) Não devemos alimentar pensamentos errados. Uma vez que Davi se colocou no lugar errado, ele foi tentado. Ele viu Bate-Seba, uma mulher bonita, tomando banho (2 Samuel 11:2). Neste momento, ele deveria ter virado os olhos para outra coisa, procurando não pensar mais na imagem do corpo da mulher de outro. Nós não devemos hospedar pensamentos maus, porque levam às consequências graves (Jeremias 4:14; 6:19). O domínio próprio, uma das características fundamentais do servo de Deus, inclui a disciplina para controlar nossos próprios pensamentos (Gálatas 5:22-23; 2 Pedro 1:6; Filipenses 4:8-9; 2 Coríntios 10:4-6). É bom lembrar que um passarinho pode passar por cima da nossa cabeça, mas não temos que o convidar a fazer ninho em nossos cabelos. (3) Devemos respeitar as advertências sobre o pecado. Davi ignorou, pelo menos, três advertências contra seu pecado, antes de ter relações com Bate-Seba. Primeiro, como conhecedor da palavra de Deus, ele sabia que sua cobiça e o ato de adultério são pecados contra Deus. Mesmo entre dois solteiros, tais relações são erradas. Segundo, ele já era casado, e o compromisso de casamento deveria ter sido mais um impedimento. Quantos homens têm evitado o pecado de adultério por causa de uma aliança ou fotografia da esposa, os lembrando do compromisso matrimonial na hora de tentação? Terceiro, ele sabia, antes de a convidar para casa, que Bate-Seba era mulher casada (2 Samuel 11:3). Nós devemos sempre respeitar as advertências sobre o pecado e suas conseqüências, antes de cometê-lo. (4) Não devemos procurar circunstâncias que facilitam o pecado. Davi estava no lugar errado e pensou nas coisas erradas. Cada passo o levou mais perto do relacionamento pecaminoso que ia piorar a vida dele e de outras pessoas. Quando ele perguntou sobre Bate-Seba e a convidou para a casa dele, ele se colocou numa situação onde a tentação seria mais forte ainda. Ele já sentiu atração de longe, como resistiria quando estava a sós com ela? Há muitas lições aqui. A pessoa que sente a tentação de usar drogas deve ficar longe dos lugares onde as tem, e das pessoas que as usam. A pessoa tentada a beber deve evitar bares e festas onde servem bebidas alcoólicas. Um casal de namorados deve evitar lugares escuros e isolados, e jamais deve usar roupas sensuais ou participar de atividades que enfatizam o sexo.

Como Davi multiplicou o seu pecado

Uma série de erros e pecados mentais levou Davi ao ato de adultério. A Bíblia não oferece nenhuma cena romântica para justificar o erro. Simplesmente diz: “Então, enviou Davi mensageiros que a trouxessem; ela veio, e ele se deitou com ela” (2 Samuel 11:4). Muitos filmes e novelas de hoje procuram colocar o pecado no contexto de romantismo e “amor” inegável. Procuram fazer do pecado alguma coisa bonita e agradável. Mas, as Escrituras relatam os fatos. Ela veio, e eles pecaram. Neste momento, Davi deveria ter sentido remorso profundo e tristeza sincera. Mas, ele não virou para Deus naquela hora. Achou que o pecado poderia ser escondido, e as conseqüências evitadas. Foi o começo de uma série de pecados que parecem tão estranhos na vida de um homem escolhido por Deus.

Ao adultério, Davi acrescentou mentiras. Quando soube que Bate-Seba estava grávida, ele chamou Urias para descansar em casa com a esposa. Ele achou possível esconder seu pecado, enganando o próprio marido traído. Mas Urias não facilitou o plano de Davi. Um soldado dedicado, ele recusou tirar férias quando os colegas estavam na batalha. Frustrado, Davi avançou das mentiras ao homicídio. O próprio Urias levou a carta que selou a morte dele e de mais alguns soldados. Neste plano sinistro, o rei envolveu mais uma pessoa. Joabe, o comandante do exército, serviu de cúmplice sem saber os motivos de Davi. As tentativas de esconder o pecado geralmente levam o pecador ao fundo do poço. Davi, cujo coração costumava ser dedicado ao Senhor, se entregou ao pecado e à vontade do diabo.

Não escondeu nada de Deus

Talvez Davi conseguiu enganar os vizinhos, e até o próprio coração. Mas, ninguém é capaz de esconder de Deus. “E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” (Hebreus 4:13). Deus mandou Natã, um profeta, para confrontar Davi com seu pecado (2 Samuel 12:1-14). Ele contou a história de um homem pobre que perdeu sua única ovelha por causa da maldade do vizinho rico. Davi ficou bravo, e demandou o castigo duro do ladrão. Falou que este homem teria que pagar quatro vezes o valor da ovelha, e que seria morto pelo crime. Natã disse a Davi: “Tu és o homem.” Ele o acusou de pecados contra Deus, contra Urias, e contra Bate-Seba. Davi confessou o pecado, e Deus lhe poupou a vida.

O arrependimento sincero

Há algumas diferenças notáveis quando comparamos a confissão de Davi com outras famosas confissões na Bíblia. Adão e Eva procuraram culpar outras pessoas para justificar sua desobediência (Gênesis 3:12-13). Caim mentiu para Deus, tentando negar sua culpa (Gênesis 4:9). Arão apontou o dedo para o povo, e fingiu que o bezerro de ouro tinha aparecido praticamente sozinho (Êxodo 32:21-24). Saul disse que tinha obedecido a palavra de Deus. Depois, quando reconheceu sua culpa, ele se preocupou em manter sua posição de honra perante o povo, em vez de mostrar um espírito quebrantado (1 Samuel 15:13,24,30). Judas sentiu remorso e confessou sua traição, mas fugiu da presença de Jesus e se suicidou (Mateus 27:3-5). Mas o arrependimento e a confissão de Davi foram diferentes. Davi não ofereceu desculpas. Ele não perguntou sobre as conseqüências. Ele se entregou nas mãos do Deus justo, e simplesmente confessou a culpa do pecado cometido: “Pequei contra o Senhor” (2 Samuel 12:13). O Salmo 51 mostra a profundidade do remorso de Davi. Ele assumiu plena responsabilidade pelo pecado, e pediu a ajuda de Deus para renovar seu coração. É este arrependimento que Deus quer. O pecador que volta para Deus precisa reconhecer seu pecado, e não retornar fingidamente (Jeremias 3:10,13).

Consequências do pecado perdoado

Deus não tirou a vida de Davi. Ele foi perdoado, mas ainda tinha que sofrer muitas consequências graves. Ele foi humilhado quando um dos próprios filhos tomou algumas de suas mulheres. E, como Davi falou que o ladrão do cordeirinho deve pagar quatro vezes, ele mesmo pagou quatro vezes. Tirou a vida de Urias, e pagou com a vida de quatro de seus filhos. O filho de Bate-Seba nasceu, e morreu logo depois (2 Samuel 12:15-25). Depois, Amnom foi morto pela espada de Absalão (2 Samuel 13:23-36). Joabe matou o rebelde Absalão (2 Samuel 18:9-18). Depois da morte de Davi, Salomão mandou que Adonias fosse morto (1 Reis 2:13-25).

As consequências do pecado de Davi mostram um fato importante. Deus pode perdoar o pecador, sem tirar todas as consequências do pecado. Há muitas pessoas arrependidas de seus pecados que ainda vão ficar muitos anos encarceradas. Há famílias destruídas por causa de pecados já confessados e perdoados por Deus. Deus pode perdoar um assassino, mas este perdão não ressuscita a vítima. Ele pode perdoar a mãe que abusou álcool ou outras drogas durante sua gravidez, mas a criança que nasceu com defeitos físicos ou mentais por causa desses vícios continua sofrendo. Deus é capaz de perdoar as mulheres e médicos que fazem abortos, mas as crianças já mortas nunca nascerão vivas. Muitos outros exemplos provam que o pecador perdoado, ou suas vítimas, podem continuar sofrendo depois do perdão. Através da fé, arrependimento e batismo, Deus lava os pecados e nos purifica. Assim, escapamos das consequências eternas do pecado. Mas, às vezes, continuamos sofrendo as consequências temporâneas dos erros do passado.

Como Deus vê o adultério

O adultério tem se tornado um pecado comum e até glorificado em novelas, filmes, livros e revistas. Mas, desde a criação do primeiro par de seres humanos, Deus sempre tem ensinado a mesma coisa. As relações sexuais pertencem exclusivamente ao casamento lícito. Ele sempre condena a fornicação e o adultério. A vontade de Deus para os dias de hoje é bem clara: um homem pode casar com uma mulher, e os dois terão relações normais até a morte. Estude bem as seguintes passagens: Mateus 19:4-6; Romanos 7:2; 1 Coríntios 7:1-9; Hebreus 13:4. Enfrentamos tentações, como Davi as enfrentou. O próprio Deus considerou Davi “homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade” (Atos 13:22). “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia” (1 Coríntios 10:12). Quando respeitamos a vontade de Deus, receberemos as grandes bênçãos de felicidade nesta vida, e por toda a eternidade.

por Dennis Allan

Como ler e estudar a Bíblia SOZINHO

Ao estudar a Bíblia não se deve procurar acomodar a verdade bíblica ao gosto e ás opiniões dos homens. Diz o apóstolo Paulo:

“porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim, poderosas em Deus, para destruir fortalezas anulando sofismas, e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo” (2 Co 10.4,5).

 

Eis o espírito com que devemos nos aproximar da Bíblia, com o desejo de lhe submeter-mos os nossos pensamentos. É estultícia da parte do homem querer mudar um til sequer à verdade bíblica. Pelo contrario, é à verdade divina que pertence o poder de mudar o homem, de julgá-lo, de salva-lo, de santificá-lo e de transformá-lo à imagem dAquele que inspirou as e Escrituras Sagradas e que se revela aos homens por intermédio delas.

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração” (Hb 4.12).

         4 razões pelas quais devemos estudar a Bíblia

  1. 1.     Ela é o único manual do cristão no trabalho do Senhor

“procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade’’ (2 Tm 2.15).

2.     Ela alimenta nossas almas

‘’Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus’’ (Mt 4.4)

‘’achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó Senhor, Deus dos Exércitos’’ (Jr 15.16).

3. Ela é a arma usada pelo Espírito Santo

‘’tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra’’ (Ef 6.17).

          4. Ela enriquece espiritualmente a vida do cristão

‘’para mi vale mais a lei que procede de tua boca do que milhares de ouro ou prata’’ (Sm 119.72).

‘’para que o Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo, o pai da Glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dEle’’ (Ef 1.17).

                  Regras para o estudo da Bíblia

As regras para leitura da Bíblia obedecem ao mesmo critério a ser adotado para o seu estudo. A leitura não é nada mais do que um estudo superficial.

A Regra da Regeneração

Se alguém deseja conhecer a Bíblia, deve em primeiro lugar conhecer o seu autor. Somente uma pessoa nascida do alto pode compreender perfeitamente o livro que também veio do alto.

A Regra da Autoridade

Você deve aceitar a Bíblia como a palavra de Deus, portanto, absolutamente infalível autoridade divina.

‘’Toda Escritura é inspirada por Deus e útil… ’’ (2 Tm 3.16).

‘’Porque nunca  jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana’’ (2 Pe 1.21).

A Regra da leitura Selecionada

Embora existam muitos livros, sites, blogs e religiosos, são três os livros de que precisamos para estudar a Bíblia:

1. bom comentário da Bíblia. Encontramos bons comentários da Bíblia nas livrarias evangélicas. Embora os melhores sejam de língua inglesa, já temos alguns de excelente qualidade do nosso idioma.

2. Uma boa concordância Bíblica da SBB pode usar, também, as ‘’Chaves Bíblicas’’.

3. Um bom dicionário bíblico.

A Regra da Preparação

Ninguém deve se atirar ao estudo da Bíblia, sem antes solicitar a direção do Espírito. Uma simples petição vinda do fundo do coração e o reconhecimento do auxílio prestado pelo Espírito Santo são precauções que deveriam preceder nossa leitura ou estudo das Escrituras Sagradas.

A Regra da Organização

Lutero dizia que estudava a Bíblia como se juntasse maçãs. Primeiramente sacudia toda a arvore, e assim caía a fruta mais madura. Então subia ao tronco e, em seguida, sacudia cada galho, depois cada rama e, por fim, buscava debaixo de cada folha.

Faça uma leitura rápida e geral para ter uma idéia do conjunto;

  • Estude cada livro, capítulo, versículo e palavra. Assim terá um domínio benéfico do mais miraculoso e misterioso livro;
  • Inspecione, lendo toda a Bíblia. Organize, assuntos da Bíblia e sumarie, reunindo aquilo que fala sobre qualquer ponto ou doutrina.

A Regra de Interpretação Literal

Leia a Bíblia literalmente, como faria com qualquer outro livro. O bom senso sempre indicará quando alguma coisa deve ser tomada simbolicamente. Israel é Israel, pedra é pedra. Com um pouco de atenção, verá que o contexto ou a própria estrutura da Bíblia indicará claramente do que trata o texto.

A Interpretação Cristocêntrica

Cristo é o centro da revelação bíblica. Direta ou indiretamente, cada passagem da escritura aponta para Jesus. Enquanto você não tiver uma visão dEle nas passagens estudadas, não terá chegado ao fundamento delas.

A Regra da Primeira Menção

A primeira vez que uma palavra, uma frase, um objeto ou um incidente é mencionado nas Escrituras, isso quase sempre fornece a chave do seu significado em qualquer outro lugar da Bíblia, onde quer que ocorra.

Poe exemplo, em Gênesis, capítulo3, folhas de figueiras representam a tentativa de Adão em encobrir seu pecado e nudez, pelas obras de suas mãos. Na última vez que se fala em folhas de figueira, em Mateus 21.19 e Marcos 11.13. Vemos Jesus amaldiçoando uma figueira sem frutos. O Mestre acabara de ser rejeitado em Jerusalém. Como as folhas de figueira representam a rejeição do remédio de Deus pelo homem, Jesus, dentre outras coisas, estava dizendo com este ato que o ser humano deveria a todo o momento, produzir frutos dignos de arrependimento.

A Regra da Consideração do Contexto 

Sempre use o texto em harmonia com o seu contexto, e não como um mero pretexto. Antes de tirar conclusão precipitada, investigue de modo completo aquilo que o restante da Bíblia ensina sobre determinado assunto.

A Regra da Tríplice Interpretação

A regra básica para interpretar a Escritura é:

  1. 1.     Toda Escritura tem uma, somente uma, interpretação primária. É a interpretação pura e simples do que está escrito. Se pedra      é pedra, se Israel é Israel, etc.
  2. 2.     Toda Escritura tem muitas aplicações práticas. Os pregadores, na maioria das vezes, se utilizam de interpretações práticas para conseguirem maior êxito em suas mensagens.
  3. 3.     Muitas passagens das Escrituras têm em adição a isso uma revelação profética. Exemplo: O vale de ossos secos.

‘’Então me disse: Filho do homem, estes ossos; são a casa de Israel. Eis que dizem:Os nossos ossos  se secaram, e pereceu a nossa esperança; estamos de todo exterminados. Portanto profetiza, e dize-lhes: Assim diz o Senhor Deus: Esis que abrirei as vossas sepulturas, e vos farei sair delas, ó povo meu e vos trarei à terra de Israel’’ (Ez 37.11,12).

Interpretação primária – Israel espalhada entre as nações.

Aplicações práticas- reavivamento da nação de Israel nos últimos dias.

Revelação profética

Reavivamento da nação de Israel nos últimos dias.

A Regra da Revelação Cumulativa

 A verdade completa da palavra de Deus sobre qualquer assunto não deve ser obtida de alguma passagem isolada, mas, antes, da revelação cumulativa de todas as passagens bíblicas que dizem respeito a essa verdade.

A Regra do bom senso

Naturalmente que o bom senso deve estar subordinado a Deus. A Bíblia não é um livro difícil ou obscuro como alguns afirmam. Quando usamos o bom senso, evitamos o ridículo. O bom senso dirá quando isso ou aquilo deve ser usado ou aceito figurada ou simbolicamente.

A Regra da Repetição

As repetições encontradas muitas vezes servem para enfatizar, revelar ou mostrar a importância de alguma passagem ao ponto de ser repetida. O Espírito Santo quis que fosse assim. Veja em (Jo 3.3,5, 7.)

‘’ A isto respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. ’’

‘’respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: Quem não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. ‘’

‘’ Não te admires de eu te dizer: Importa-vos nascer de novo. ’’

A Regra do Correto Manuseio da Palavra

Em 2 Timóteo 2.5, a  expressão ‘’que maneje bem ‘’ é tirada dos sacrifícios do Antigo Testamento. O ofertante dividia o cordeiro em  três partes (exceto no caso da oferta queimada). Uma parte era oferecida a Deus, outra ao sacerdote e  a outra ficava com aquele que trouxera a oferta.

‘’Manejar  bem’’ significa simplesmente dar a cada qual o que lhe pertence por direito. A Bíblia divide a humanidade em três povos: judeus, gentios e Igreja de Deus.

A Regra da Prática

Cada verdade que Deus revela deve ser  praticada, obedecida e posta em operação, pois do contrario nosso estudo será vão e teremos uma teologia transparente como o gelo. Lembre-se que se conhece melhor a Bíblia praticando. Veja o que diz Hebreus 10.26:

‘’porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados. ’’

 

 

Fonte:

http://ensinamentoonline.wordpress.com/2011/09/07/como-ler-e-estudar-a-biblia-sozinho/

Pode o cristão fazer tatuagens ou colocar piercings em seu corpo?

2 Coríntios 5.17  – Gálatas 2.20

1 Coríntios 10: 23 a 33 – I Corintios 3:16-17

Conhecida como “Body Modification“, a prática de fazer modificações no corpo tem atraído a muitos, principalmente jovens e adolescentes.

Um pouco menos radical e bem mais comum entre a galera, está o uso de piercings e tattoos.

ORIGEM

De acordo com estudos feito por antropólogos usar a pele para tatuar imagens e introduzir adornos é um costume que vem de civilizações muito antigas. Achados arqueológicos (alguns com mais de 4 mil anos) comprovam seu uso em várias culturas primitivas, como Egito, Índia, Nepal, Malásia, Tailândia, Maia, Asteca, Nova Zelândia, etc…

A popularização de tais práticas nos grandes centros urbanos advém dos anos 70, com os punks e hippes na Inglaterra e o movimento gay nos EUA (porque os gays usavam brincos?). A moda chegou ao Brasil com força total na década de 80, primeiramente entre as “tribos” do underground e culturas alternativas, se disseminando entre artistas e roqueiros, espalhando-se depois entre as mais diversas camadas sociais tornando-se um símbolo pop.

SIGNIFICADOS DIVERSOS

A origem dos piercings e tatuagens está ligada a costumes de muitas civilizações antigas, e possuem vários significados de acordo com cada época e cultura.

No Egito, piercings no umbigo eram identificadores de realeza e beleza. Uma forma de cultuar o corpo e a sensualidade.

Os Maias usavam tatuagens e piercings por motivos religiosos, estéticos e também para inibir os inimigos.

No oriente (China, Japão), a tatuagem era uma espécie de homenagem a uma determinada divindade.

No Império Romano, os escravos eram tatuados como sinal de senhorio. Entre os hebreus perfurar a orelha simbolizava um pacto de escravidão (Ex 21.6).

Em várias culturas antigas, a tatuagem era feita por feiticeiros, como parte de rituais de passagem ou de cultos pagãos, crendo que o sangue que saía das feridas levava consigo os espíritos malignos.

Na Europa do séc. XVII, a tatuagem passou a ser usada pelos marujos como um talismã, distinguindo-os dos demais.

No Holocausto, nazistas, tatuavam os prisioneiros judeus para ofenderem sua fé e dignidade.

Em algumas regiões da Europa e também nas Américas, era comum as prostitutas levarem uma marca de seus cafetões, como um atestado de propriedade.

Os membros da máfia japonesa Yakuza, tatuavam grande parte do corpo como prova de coragem e de fidelidade à gangue.

Nas últimas décadas popularizou-se o uso de tatuagens por presidiários, que tatuam o corpo com marcas que revelam sua personalidade, exibem o delito que cometeu, diferenciam a facção à qual pertencem ou ainda servem como uma espécie de código, com alguma mensagem oculta.

Tatuagens e Piercings são frequentemente relacionados à atitude de agressividade e rebeldia, com uma conotação de rompimento com os pais, o núcleo familiar e a sociedade vigente. Uma maneira de externar descontentamento e o desejo de uma vida alternativa, marginal, contrária à ordem estabelecida. Inclusive alguns setores profissionais simplesmente não contratam funcionários que tenham qualquer tipo de modificação em seu corpo, alegando que alguns adereços transgridem a visão de seriedade que a empresa ou instituição deseja transmitir.

A classe médica também tem suas restrições. Inúmeros estudos e pesquisas têm apontado os riscos de tais práticas que, mesmo seguindo todas as prescrições de higiene e realizadas por profissionais devidamente habilitados, podem acarretar infecções das mais severas, abscessos, alergias, quelóides e até hemorragias.

1. O que a Bíblia diz sobre Tatuagem?

O único texto que fala a respeito de tatuagem na Bíblia encontra-se em Levítico 19:28: “Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o SENHOR.” (Edição Almeida Revista e Corrigida).

28 “Não fareis incisões na vossa carne por um morto, nem fareis figura alguma no vosso corpo. Eu sou o Senhor”. Edição ave Maria.

Este texto faz parte de um conjunto de leis dadas por Deus ao povo de Israel. O contesto desse texto é o mesmo de outros mandamentos tais como a proibição de tocar em algum animal morto (Lv 5:2), de comer carne de porco (Dt 14:8) ou de se sentar na mesma cadeira onde antes se assentara uma mulher que estava “menstruada” (Lv 15:20). Tais práticas são inocentes em si mesmas. Elas foram consideradas erradas no antigo Israel por causa de sua associação com práticas pagãs.

Agora quais leis expressam o caráter e a santidade de Cristo? Quais podem ser identificadas como fruto produzido pelo Espírito Santo na vida de um indivíduo?

Podemos encontrar a resposta verificando quais delas se repetem em outros textos das Escrituras e do Novo Testamento. Com esta regra simples e básica de hermenêutica aplicada às  leis citadas acima, não é difícil concluir que:

a) mesmo desfrutando da Graça de Deus e tendo sido libertos da escravidão da Lei, espera-se que aquele que foi justificado por Cristo não furte mais, não busque vingança e honre os pais e também os anciãos;

b) por outro lado, não há em nenhum outro lugar da Bíblia, além da Lei Mosaica, algo que indique ser pecado  o ato de “fazer marcas no corpo”.

É verdade porém, que existem várias citações bíblicas que condenam quaisquer rituais em favor dos mortos. Não encontramos na Bíblia  condenação ao ato puro e simples de fazer marcas no corpo,

MAS a Bíblia, a Palavra de Deus é explicitamente contra fazer QUALQUER COISA, sejam elas o que for (Tatuagens, pircings, brincos, fumar, beber, dançar, jogar, malhar. Ouvir músicas, etc) se as mesmas tiverem qualquer tipo de relação com:

Homenagem a mortos, Hedonismo, idolatria etc..

O hedonismo (do grego hedonê, “prazer”, “vontade”) é uma teoria ou doutrina filosófico-moral que afirma ser o prazer o supremo bem da vida humana. Surgiu na Grécia, e importantes representantes foram Aristipo de Cirene e Epicuro.

O significado do termo em linguagem comum, surgiu no iluminismo e designa uma atitude de vida voltada para a busca egoísta de prazeres momentâneos. Com esse sentido, “hedonismo” é usado para designar o culto ao corpo, à beleza, à personalidade etc.

2. O que a Bíblia diz sobre Piercing, brincos e ou arrecadas (alargadores)?

Encontramos na Palavra de Deus alguns textos que fazem referência a isso. Gênesis 35:4 e Êxodo 32:2-3 descrevem homens e mulheres que usavam brincos nas orelhas como um tipo de adorno. Em Ezequiel 16:12 o brinco feminino aparece como uma jóia presenteada pelo próprio Deus. Tal adereço aparece também em outros textos, e em nenhum deles é tido como algo que o Senhor não aprova.

O texto usado como base para condenar o uso de brincos (para os homens) e piercings em geral, encontra-se em Êxodo 21:1-6: “Então seu SENHOR o levará aos juízes, e o fará chegar à porta, ou ao umbral da porta, e seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre” (Ex 21:6).

Aqui lemos que a prática de perfurar a orelha entre os judeus era símbolo de uma aliança de escravidão voluntária. Todas as pessoas que vissem um homem com orelha furada saberiam que ele escolheu, de livre e espontânea vontade, ser escravo de alguém. Note que não é uma referência ao uso de brincos, mas sim ao ato de furar a orelha.

Tal costume também fazia parte do conjunto de Leis dado ao povo de Israel, e não encontramos nenhuma recomendação ou proibição a esta prática nos Livros Proféticos ou no Novo Testamento, concluindo ser, portanto, algo específico para aquele povo e para aquela época.

Sendo assim, se alguém está convencido de que brincos, piercings e tatuagens eram uma questão moral para o povo de Israel, então tal pessoa deve se abster delas. A Bíblia não declara que existia falhas morais envolvidas no uso de um piercing ou uma tatuagem.

ENTÃO É PECADO OU NÃO USAR TATUAGENS OU PIRCINGS?

O texto de 1 Coríntios 6:12 alerta: “Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”. Nem tudo é conveniente para o cristão, mesmo não sendo pecado. Há que se usar o bom senso em cada situação.

O jovem cristão que pensa em praticar algo ou se utilizar de algum tipo de adorno que transforme permanentemente – ou não – o seu corpo, precisa antes ponderar séria e demoradamente sobre algumas questões:

1. Por que quero fazer isso no meu corpo?  (LER) “…quer vocês comam, bebam, ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para glória de Deus.” (I Co 10:31)

2. Isto prejudicará outras pessoas? (LER) “…façamos o bom propósito de não colocar pedra de tropeço ou obstáculo no caminho do irmão.” Rm 14:13

2.1- Visa o Bem estar de nossos semelhantes?  –(LER)  “Não vos torneis causa de tropeço, nem para Judeus, nem para gentios, nem tão pouco, para a igreja de Deus”.

Aqui Paulo divide a humanidade em três classes de pessoas:

> Judeus – Evidentemente a nação de Israel

> Gentios – São todos os não judeus ainda não convertidos a Cristo

> Igreja de Deus – Todos os convertidos a Cristo, sejam eles judeus ou gentios.

A advertência aqui é que não usemos nossos direitos que são legítimos, de modo que sejamos causa de tropeço para outros.

3. Esta decisão viola de alguma maneira a autoridade dos meus pais, dos meus líderes espirituais ou governo? (LER) “Aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu” (Rm 13.2)

4. Vai causar algum tipo de mal ao meu corpo? (LER)  “O homem bom cuida bem de si mesmo, mas o cruel prejudica o seu corpo.” (Pv 11:27)

5. Vai deformar de alguma forma a minha dignidade humana? (LER) “Vivam de maneira digna da vocação que receberam.” Ef 4:1

6. Apresenta alguma aparência do mal?  (LER) “Fujam da aparência do mal.” (I Ts 5:22)

7. A natureza do que pretendo fazer é para satisfazer desejos carnais ou é para satisfação espiritual?  (LER) “Tudo o que fizerem, seja em palavra ou em ação, façam-no em nome do Senhor Jesus” (Cl 3.17)

8. Trará edificação ou a glória de Deus? (LER) “Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o seu próprio corpo.” (1 Co 6.20)

9. Posso testemunhar da minha fé enquanto faço isso? (LER)  “Estejam sempre preparados para responder a qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês.” (1 Pe 3.15)

10. Minha consciência terá paz se eu fizer assim? (LER) “Combata o bom combate, mantendo a fé e a boa consciência…” (I Tm 1:18-19)

* Uma resposta honesta a cada uma dessas perguntas é o que deverá definir sua escolha. São questões pessoais e diretamente ligadas à consciência, personalidade,  e principalmente ao seu caráter de cristão.

Como agir diante de situações como essas relatadas?

I Coríntios 10:23

         LÍCITO        CONVÉM        EDIFICA
Legal, Que tem amparo na leiQue é conveniente ou que é apropriado,  ou prudenteEdificante, que produz edificação ou crescimento espiritual.

Roney Miguel Brasília DF.

 

 

O Candidato Correto ao Batismo

Preocupados em ter um número cada vez maior de fiéis em sua igreja, muitos lideres se esquecem de uma grande exigência bíblica para o batismo, que é o do candidato ser uma pessoa apropriada. Preocupados em receber mais ofertas e dízimos, que sua igreja estará mais cheia, nem pensam que o candidato precisa ser uma pessoa que tenha feito uma sincera profissão de fé, e que como a Bíblia ensina, tenha se tornado uma nova criatura, deixando a velha vida de pecados para trás, procurando viver uma nova vida (dada por Jesus) voltada para Cristo e para sua Igreja.

Não pode ser um candidato apropriado ao batismo aquele que professa Cristo como Senhor e, no entanto, o mundo ainda continua a mandar em sua vida. Ele aceitou Jesus de boca mas ainda ama o tabaco. Ele diz que aceitou Jesus de palavras, mas ainda é escravo do álcool. Ele diz com sua boca que aceitou Jesus, mas vive ainda uma vida de adultério. Chegam a dizer: “Amasiado com fé, casado é”. Diz que é filho de Deus, mas sua única preocupação são as coisas terrenas.

Será que uma igreja, que se apresenta com séria, como verdadeira, concordaria em batizar alguém que professa com a boca ter crido em Jesus, mas com suas ações e disposições não demonstram que  amam mais Aquele que o comprou do que o pecado que o escravizava?

É comum numa igreja que realmente professa o nome de Jesus Cristo o candidato passar por uma avaliação de conhecimentos e bom testemunho. A igreja, representada pelo pastor e seus membros, certamente podem interrogar o candidato (como fez Filipe a Eunuco quando este lhe pediu batismo). São perguntas básicas como: “Por que você quer ser batizado”? Que significa o batismo? Para que serve o batismo? Tem certeza de sua salvação eterna? Entre outras de acordo com a exigência de cada igreja local. Certas perguntas são básicas. Precisam ser feitas e necessitam de respostas certas. Filipe fez uma pergunta básica: “Podes, se crer de todo o coração”, e a resposta foi certa: “Eu creio que Jesus é o Filho de Deus…”. Algumas pessoas, muito espertas, sabem decoradas as perguntas, mas suas vidas dão um testemunho contrário à sua fé.

Por exemplo: Se o candidato aceitou Jesus, e era católico praticante, certamente foi um idólatra; Caso ele continue a adorar ídolos e imagens, ou pelo menos guardá-las escondido, é uma prova de que Cristo ainda não é o Senhor absoluto de sua vida. Se o candidato aceitou a Jesus, e era amasiado, certamente de acordo com a P.D, ele é um adúltero, fornicador etc., e caso ele continue vivendo sem o casamento  é prova de que Cristo também não é o Senhor absoluto de sua vida.

Podemos pensar o mesmo de alguém que aceitou Jesus, e que era homossexual. Caso ele continue com as mesmas práticas pecaminosas, é uma prova de que Cristo ainda não é totalmente Senhor  de sua vida. O mesmo se dá com vícios, costumes errados e prazeres indignos, que, orientados pela igreja local, deve o candidato ter abandonado a tudo que lhe atrapalha de servir o seu novo dono, Jesus.

Admitir que uma pessoa que confessa Jesus como seu salvador e que continua nas antigas práticas pecaminosas do tempo do velho homem, podem sim ser batizados, mesmo sabendo que o batismo é apenas uma simbologia, é dizer para eles que as evidências de uma nova criatura (II Cor 5:17) não têm nenhum valor para Deus.

Toda Igreja que não faz avaliações sinceras dos candidatos a batismo estará correndo sérios riscos. O mais grave é de colocar na mesa do Senhor pessoas indignas, ou seja, encher a casa do Senhor de incrédulos e chamá-los de irmãos. Após essa tragédia vem as futuras consequências, ou seja, o testemunho deles irá falhar, e quem passará a vergonha pública é a própria igreja que o aceitou sem ter feito as prévias avaliações. Se fazendo as prévias avaliações já corre o risco da pessoa se desviar, imagine ir aceitando qualquer um. Existem pessoas que só querem pertencer a uma religião, tanto faz ser numa igreja católica, protestante, espírita. Por isso, numa entrevista sincera com ele, a igreja saberá de suas intenções. A prévia entrevista é uma arma contra futuros problemas com a membresia.

Irmãos! Se o batismo do cristão é um símbolo de que a pessoa de fato morreu para o mundo e ressurgiu com Cristo para uma nova vida (Rom cap 6), devemos entender que o batismo deverá ocorrer, quando de fato ele(a) estiver vivendo na prática da nova vida, vivendo o verdadeiro significado do símbolo (o batismo).

Não podemos deixar sermos levados por quaisquer que sejam as correntes teológicas e como igreja agirmos com parcialidade, aceitando como apto para o batismo  algum tipo de pecado ainda sendo praticado,aqueles que julgamos menos escandolosos, enquanto que noutras áreas que julgamos mais escandalosas não os aceitamos. “Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; ” (Rom 12:11)Bíblia RC

Fontes de pesquisa:

Biblia sagrada versões RA,RC

Comentários P.Prudente

comentários de

Gilberto Sthefano